As próximas eleições presidenciais_4

Passos Coelho, Cavaco Silva e Paulo Portas odeiam Marcelo porque é simultaneamente inteligente, culto e insuspeito de negócios escuros, fugas ao fisco ou à Segurança Social.

Passos e Cavaco queriam a cultura do ex-presidente do PSD e Portas só a oportunidade e ausência de cadastro. Uniram esforços porque lhes faltou outra opção e contam com o carácter de Marcelo, isto é, com a ligeireza de carácter. Em campanha, há décadas, é a única esperança de sucesso para a direita.

Marcelo traiu Pinto Balsemão, de quem foi ministro, e no Expresso de que o fez diretor, enganou com a Vichyssoise Paulo Portas e este serviu-lha fria, como é hábito servir-se à mesa, em direto, na televisão. Agora apoia-o, forçado, engolindo-a, ele próprio, gelada.

Marcelo odeia Paulo Portas que o denunciou, Passos Coelho a quem despreza e Cavaco porque lhe complicou a vida com a falta de sentido de Estado na ‘indicação’ de António Costa para formar governo, mas foi hábil a enganá-los. É um excelente manipulador.

A inteligência e capacidade de dissimulação de Marcelo prendeu os três à arreata, mas o homem não mudou. Enganou-os bem. Manipulou para evitar que um outro candidato da direita se antecipasse e, agora, com o apoio de toda a direita, a pior incluída, só lhe falta enganar o eleitorado de esquerda.

É por isso que o carácter é tão importante na escolha de um PR. Os portugueses sabem, embora haja muitos que esqueçam. Veremos pelos resultados eleitorais.

Comentários

Jaime Santos disse…
Os Portugueses têm, ainda hoje, uma perceção errada de como funciona o sistema político. Muitos pensam ainda que o PM é eleito (a personalização das Campanhas a isso ajuda) e que o PR pode intervir diretamente na política partidária, já que Eanes, Soares, até certo ponto Sampaio, e com certeza Cavaco o fizeram (mas não deviam) e não há, na minha modesta opinião, nenhum Poder Moderador do PR, por muito que muitos queiram imaginar que sim (se não está na CRP não existe, assim como a pretensa norma relativa à necessária nomeação do líder do Partido mais votado como PM após eleições). Os poderes presidenciais são antes de tudo os de fiscalização da constitucionalidade das Leis pelo seu envio ao TC antes da Promulgação, o envio de mensagens à AR, o veto político e no limite a dissolução da AR ou mesmo a demissão do Governo. Depois da revisão de 1982, todos eles, menos o primeiro, devem ser usados com Parcimónia e Ponderação. O escopo destes poderes é restrito, mas dentro dele, o PR é mesmo a figura tutelar da nossa Democracia (e por isso é que é. e bem, diretamente eleito), O resto (mobilização da Sociedade Civil, Roteiros Presidenciais, etc) é tarefa para um corta-fitas, mesmo se os discursos de um PR têm sempre uma leitura política, à luz dos poderes enumerados acima. Dito isto, o carácter de um candidato a PR é importante porque, antes de tudo, comportamentos passados são uma indicação de comportamentos futuros. Não acredito e que ninguém acredite que o putativo novo Presidente MRS ficará quieto e não se imiscuirá na Política. Ele já disse que será 'hiperactivo', por isso ao menos diz um pouco ao que vem. Suspeito, e daí o súbito entusiasmo de Pacheco Pereira com MRS, depois de ter criticado o seu comprometimento com a TVI, que as primeiras vítimas serão Passos Coelho e Paulo Portas, de modo a re-centrar o PSD e o CDS, depois Marcelo irá virar-se para Costa. Podemos vir a ter saudades de Cavaco, na linha de 'depois de mim virá, quem de mim bom fará' . Que ninguém se queixe então...
Jaime Santos:

Não tenho uma leitura tão restritiva dos poderes presidenciais embora o caso de Eanes seja completamente diferente. Tinha mesmo amplos poderes constitucionais que uma revisão inspirada por Soares lhe retirou.

No essencial considero correta a sua interpretação, apenas discordo frontalmente de eventuais saudades de Cavaco.
Jaime Santos disse…
Ter saudades de Cavaco só por ele, caro Carlos, Deus me livre, a mim que sou Agnóstico! Não, refiro-me ao facto de que Marcelo pode ser muito pior. É mais culto, mais inteligente, tem todo um outro berço e um excelente sentido de humor, não é um ressabiado da Vida e da Política (vê-se que gosta de viver e cultivar os prazeres desta Vida, mau grado a queda para as Homílias Católicas, entre outras), mas é um Peter Pan da política, uma espécie mais sofisticada de Santana Lopes. A Presidência é o órgão unipessoal por excelência da República. Deve ser ocupada por Homens ou Mulheres Adultos e Ponderados, coisa que eu duvido que Marcelo seja. E ainda se falou do nome do Monárquico Portas! Deus nos livre, muitas vezes!

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro