Piropos, assédios e bullyings…



O piropo tem alguma analogia com a questão do assédio. Popularmente existem termos que congregam alguma da essência destes actos: ‘chatear’ ou ‘azucrinar’ (a mona ou a vida).

Mas tal como o piropo o assédio é um problema frequentemente desfocado da sua plenitude, isto é, no seu largo âmbito.

O foco no ‘assédio sexual’, normalmente um instrumento de perversão e de abusiva dominação nas relações de trabalho, com incursões deambulantes e devastadoras na política e meios artísticos link  e até eclesiásticos, tem ocupado a centralidade do problema e faz esquecer o persistente assédio moral de alguns 'presbíteros da verdade' (p. exº.: Marcelo Rebelo de Sousa) e, ainda, um outro mais vasto e mais caustico - o colectivo.

Seria interessante ver o PSD – que subitamente resolveu dedicar-se a temas ‘fracturantes’ – propor algo sobre o assédio colectivo. Por exemplo, apresentar um projecto-lei para penalizar modelos de intervenção externa, daqueles ditados pelos ‘mercados’, pelos ‘credores’ e quejandos, a que fomos sujeitos durante anos e que não andarão longe de um modelo de assédio colectivo.

De facto, direitos laborais, rendimentos dos pensionistas, de funcionários públicos, etc. foram objecto daquilo a que podemos chamar um continuado assédio, de dimensão colectiva, se não mesmo de ‘bullying’. Na realidade, as sucessivas intervenções de Wolfgang Schäuble acerca de Portugal e da Grécia assemelham-se muito a este quadro.

A posição do PSD é de todo semelhante aquela visão do observador atento da árvore próxima mas (politicamente) apostado em negligenciar a floresta.

Comentários

Agostinho disse…
E_pá! isto agora está mau para assobios!
Se o Schauble mandou bocas de longe convém não esquecer a vassalagem prestada pelos meninos de bibe que lhe iam fazer queixinhas armados em "bons alunos".

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro