Cavaco Silva e a governação ideológica

O velho salazarista, que não conseguiu impedir a formação do atual Governo, voltou a ser «mestre da banalidade», como o definiu o notável escritor e glória das nossas letras, José Saramago. Apenas o ódio e o ressentimento lhe toldam a clarividência.

Perante a herança funesta do governo PSD/CDS e a delinquência bancária dos amigos, que aí se repoltrearam à solta, afirmou que a “governação ideológica é sempre derrotada pela realidade”, como se em democracia tivesse havido algum governo mais ideológico do que o que desejou perpetuar e torpeza maior do que a ocultação da situação do país.

Nem uma palavra acerca do alerta da comissária europeia da concorrência sobre o caso Banif e a necessidade de lhe encontrar uma solução…em 2014, nem uma palavra para o casal Roque, para Joe Berardo, para a UNITA, para o Governo Autónomo da Madeira ou para o chairman Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do PS que está nos negócios privados à sombra do PSD e foi vedeta do combate contra a formação do atual Governo.

Hoje, com a ex-ministra Maria Luís, a culpar o governador do Banco de Portugal e este a culpar o seu governo, com o CDS a afastar-se do PSD arremessando-lhe o governador que ambos reconduziram, pela primeira vez sem auscultação da oposição, fica claro que a fatura herdada é uma herança negativa perpétua.

Só a desfaçatez dos culpados é maior do que o desespero do país perante a impunidade de que gozam os algozes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro