O IPSD (o Inacreditável Partido Social-Democrata)…

O País está atónito com a nova palavra de ordem do dirigente Passos Coelho ao tentar entrar no novo ciclo político.
A proclamação “Social Democracia Sempre!!!” link (não resisto a colocar-lhe exclamações) teria posto os portugueses a rir – e bem precisam disso – se não fosse um grosseiro e execrável embuste.

Mas não satisfeito com este passe de travestismo rafeiro [apesar de negar o idealismo travestido] o dirigente atiça-se e dispara uma outra infâmia: “ mesmo nas medidas de austeridade que adoptamos, fomos sempre social-democratas…” link.

Ora bem. Este senhor andou 4 anos e meio a negar que o Governo que chefiou tivesse, em algum momento, adoptado um programa ideológico. Tudo era pragmatismo. Afinal havia um programa político de matriz social-democrata. E nós – ingratos - não percebemos isso.

Mais, trata-se de um prestigiador que pretende alinhar a sua verborreia pela prostituição semântica.
E, na passada, mostra que renega as suas origens. O PPD era (foi) na sua origem um partido ‘popular’. Não ficou assim quando alterou a designação para PSD no momento em que pretendia integrar a Internacional Socialista, o que lhe foi negado.
Hoje, está integrado no PPE, um aglomerado ‘popular’, portanto, colocado à direita do espectro político europeu e com especiais responsabilidades no desmoronamento da Europa.

Ninguém percebe a estratégia de Passos Coelho mas todos compreendemos que a ânsia de conquistar o centro político (esta será a sua meta) não lhe permite ser, ao mesmo tempo, o centro-direita (característica dos movimentos ditos 'populares') e o centro-esquerda com uma suposta matriz social-democrata.

A transformação de um liberal de pacotilha num potestativo social-democrata, ocorrida em poucos dias, é uma manobra de ilusionismo e não corresponde a qualquer viragem política. Nem sequer é um realinhamento partidário.
O culto da simulação, do subreptício, do ledo e cego engano, tem limites que nem sequer são políticos. Podemos ficar por uma outra coisa mais comezinha: a decência.

Nas permanentes conferências de imprensa que promove para anunciar o seu 'new look' o que é de estranhar é não saltar um jornalista a perguntar: sabe o que o neoliberalismo?
Provavelmente dirá que não. Que 'isso' - aquilo por onde passamos nestes últimos anos - não existe.
Mas se existir nessa sala um espelho reconhecerá (imediatamente) um vulto em trânsfuga atropelando todo o espectro político-partidário.
E, como diz o ditado popular (é melhor regressar ao círculo 'popular' ou ao circo 'popularucho')  mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime