TAP: Não tapar os olhos e pôr-se a dormir….

A situação da TAP depois do acordo deste Governo com o consórcio Atlantic Gateway deve merecer a maior atenção dos portugueses.

Existe um acordo em fase de ultimação que formalmente divide em partes iguais (50%) a propriedade da TAP condicionando (mas não revertendo) a privatização orquestrada pelo Governo de Passos Coelho e levada a efeito pelo boy Sérgio Monteiro.

O controlo da companhia aérea nacional pelo Estado é muito ténue e reside no voto de qualidade do presidente do Conselho de Administração (de composição paritária) e que será nomeado pelo Governo.

As opções estratégicas de fundo da transportadora aérea pressupõem uma maioria de 2/3 do CA o que poderá ser um obstáculo para o seu delinear. É aqui que reside a fragilidade do acordo já que as possibilidades de bloqueio são múltiplas e poderão desembocar em sucessivos impasses.
As questões estratégicas que poderão ser (corresponder) a mais lídima expressão dos interesses nacionais estão nas mãos de um grupo privado. Esta é a outra face desta moeda.

Mais do que a (re)nacionalização da TAP – ou a alteração da titularidade do capital social - este passo assemelha-se a um novo tipo de parceria público-privada. E aqui começam as preocupações de ‘gato escaldado’.
O abdicar, por parte do Estado, da participação na gestão operacional da companhia pode ser uma fonte de problemas. Até que ponto o CA - onde a participação pública estará representada - pode relegar para segundo plano o funcionamento e eficiência da gestão?

Os 6 membros do CA de administração nomeados pelo Estado não podem desfrutar de um estatuto ‘displicente’ de gestor público.
É necessário que respondam a par e passo perante a tutela (Ministro da Economia) e concertem ao pormenor as decisões estratégicas com o poder político.
E, finalmente, que o movimento cívico ‘Não TAP os Olhos’ não adormeça.

As 'meias vitórias' em política são muito susceptíveis de ser infectadas pelo vírus da transitoriedade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita