A frase encomendada e a chantagem


«Portugal deve estar ciente de que pode perturbar os mercados se der a impressão de que está a inverter o caminho percorrido, o que será muito delicado para Portugal.»

(Wolfgang Schäuble, ministro alemão das Finanças)

Comentários

e-pá! disse…
O Sr. Schauble, que parece conviver a paredes meias com os ditos 'mercados', começou a dar um ar da sua graça.
Durou pouco mais de 1 mês a sua contenção. Daqui para a frente vai se um vê se te avias.

Começa a ser notório que não interessam eleições, planos orçamentais, estímulos ao crescimento, apoio ao emprego, etc.. Nada parece possível fazer com o Sr. Schauble no sítio onde está (colado aos mercados e sendo o seu alter ego). Logo, as prioridades políticas devem ser ajustadas a esta aberração democrática.

Estamos, por assim dizer, de regresso ao século XIX e aos tempos da Prússia. Sabemos - por a História nos ensina - como decorreu essa experiência de dominação.
Estamos a revisitar o mesmo caminho.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido