Charlie Hebdo, iconoclasta


Um ano depois do derramamento do sangue dos seus desenhadores, o jornal humorista desenha o deus assassino, em fuga, com as bombas da sua omnipotente demência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade