Charlie Hebdo, iconoclasta


Um ano depois do derramamento do sangue dos seus desenhadores, o jornal humorista desenha o deus assassino, em fuga, com as bombas da sua omnipotente demência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime