A morte do bispo do Porto

António Francisco dos Santos, há 45 anos no exercício de funções eclesiástica, faleceu. A avaliar pela imprensa da multinacional da fé onde exercia funções, foi o patrão que o chamou à sua divina presença.

Celibatário por imposição empresarial e casto por dever profissional, não deixou filhos e era certamente uma pessoa de bem.

O que surpreende, num país laico, onde a separação entre o Estado e as Igrejas é uma exigência constitucional, é a declaração de luto pelas Câmaras Municipais como se estas fossem um offshore da legalidade democrática.

Os edis do Porto e Gaia decretaram 3 dias de luto, com partidos políticos a suspenderam a campanha eleitoral. A morte merece respeito, mas o comportamento subserviente dos autarcas provoca repulsa. Quem não sabe viver de pé, anda de rastos e há de morrer de joelhos.

Numa atitude bizarra, a Câmara de Aveiro decretou também 1 dia de luto. O funcionário de Deus fora ali bispo e só as juntas de freguesia onde foi padre se abstiveram de prestar a mesma homenagem.

Portugal não é um país, é uma sacristia encharcada em água benta.

Comentários

Pois,uma sacristia,concordo. Mas onde o governo PPD se borrifou nos Dias Santos e se limpou às celebrações das datas Litúrgicas... E nem o santo bispo falecido nem o Reverendíssimo Cardeal levantaram a voz acerca do abuso! Fraca sacristia,fracos pastores,fracos crentes...
Monteiro disse…
Hoje em dia ninguém teria a coragem de enfrentar a Igreja como a monarquia do Século XIX e a República do Século XX o fez, tal o grau de imbecilidade a que se chegou.

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …