Alemanha – Eleições

A prevista vitória da senhora Merkel, cujo sentido de Estado é inegável, é a notícia que não inquieta quem não vê diferenças entre ela e o líder social-democrata.

A desgraça é ter chegada ao Parlamento, como terceiro, um partido abertamente nazi.

Este prego no caixão da União Europeia para quem, como eu, a defende, é um assunto que merece profunda reflexão nesta deriva europeia a caminho da extrema-direita.

Hei de voltar ao assunto.

Comentários

Manuel Galvão disse…
Se voltar a este assunto não se esqueça que:

O aumento da extrema direita na Alemanha é um problema semelhante ao da Grã-Bretanha, e vem desde o tempo da primeira guerra mundial. São países que desenvolveram brutalmente a capacidade de inovação tecnológica e que acabaram por ter que expandir a produção para fora de suas fronteiras, por terem deixado de ter mercado dentro do seu próprio território para escoar quantidades de produção tão grandes.
No Século XX as colónias foram o escape para escoar tanta produção. Na primeira grande-guerra assistiu-se à pilhagem das colónias alemãs, holandesas, belgas, por parte dos anglo-saxónicos, com o objetivo de alargarem os mercados que "necessitavam" para escoar a sua produção industrial, mercados que “pagavam” as compras com minério e produtos da agricultura. São célebres as quintas inglesas em "África Minha". (centrais electricas, equipamentos portuários, equipamentos terraplanagem e minas, construção naval, etc. etc.).
Depois veio a segunda guerra que destruiu completamente o tecido empresarial produtivo da Alemanha (por aqui só se fala em Blitz de Londres!), passando essa produção para os EUA. Com a agravante de a Alemanha passar a ser Território Ocupado pelos anglo-saxónicos, que a partir de 1945, ditam o que a Alemanha está autorizada a fazer e o que não está.
Isso é uma situação humilhante que tem que acabar!
O slogan "make América great again" está atravessado na garganta de muitos alemães, sobretudo daqueles que sabem que a grandeza dos EUA se fez à custa da pilhagem dos seus mercados e à custa da destruição das suas fábricas feita há 70 anos (só). Porque e América saiu das várias recessões por que passou no início do século XX à custa da pilhagem dos mercados que pertenciam aos seus concorrentes mais diretos (Reino Unido, França e sobretudo Alemanha) e à custa do produção industrial de material de guerra para ser utilizado contra o Eixo.
Muitos alemães também querem "make Alemanha great again". Não são necessariamente Nazis. São saudosistas do tempo em que a Alemanha era livre e independente e concorria taco-a-taco com os outros países industrializados e usava para isso a sua armada e o seu exército como os EUA sempre usaram. Isso não deixa de ser justo.
Só que hoje os tempos são outros e a China entrou no jogo.
Para mim, talvez o erro da Alemanha tenha sido chamar exageradamente a produção industrial para o interior do seu território. Quando a mão-de-obra começou a escassear por motivos demográficos somados ao aumento da produção industrial e agrícola, eles optaram por colmatar a falta de m-de-obra importando muçulmanos, e acabaram por formar uma bomba-de-relógio no interior do seu território.
Deviam talvez ter feito o que os russos fizeram que foi colocar a produção nos países da periferia da Rússia, diminuindo as assimetrias sociais e económicas e dando assim maior coesão a todo o bloco soviético.
A Alemanha, a França, a GB, deviam ter posto “auto-europas” por toda a parte da periferia (Grécia, Irlanda, Itália Espanha, Portugal, e até nos países bálticos, e deviam abster-se da política de subsídios, (Fundos de coesão, fundos estruturais, etc).
Conclusão: não me parece que seja possível uma nova aventura nazi, mas só por uma razão. Porque não está presente hoje, na Europa, o perigo do comunismo. Esse sentimento foi a causa mais importante da adesão dos europeus ao nazismo. Não tenhamos dúvidas, foi a bipolarização ideológica fascismo-comunismo que esteve na origem da derrapagem dos acontecimentos, a perda de controlo que permitiu o nascimento do nazismo.
Se Hitler tivesse destruído a Rússia não me espanta nada que a seguir conseguisse um acordo de paz com os anglo saxónicos. Estes últimos são gente capaz de fazer negócios com toda a espécie de fascistas, desde que sejam bons negócios!
e-pá! disse…
O problema é: uma eventual 'coligação jamaica' só se construirá contra a Europa, não toda evidentemente, mas especificamente contra a Europa do Sul.
osátiro disse…
não me parece que o AFD seja nazi
muito pores foram os comunistas na RDA..............STASI...não esquecer

o AFD limitou se a seguir a voz do POVO ALEMÃO farto de ver as adolescentes serem VIOLADAS , AGREDIDAS NAS RUAS, CENTROS COMERCIAIS,
DESTRUIÇÃO DE IMAGENS CRISTÃS, E PROFANAÇÃO DE IGREJAS...
MATANÇAS DE INOCENTES AO GRITO DE ALLAHU AKBAR...
E AINDA POR CIMA PAGAR COM OS SEUS IMPOSTOS A ESTES SELVAGENS.

se condenar toda esta SELVAJARIA ISLÂMICA é ser nazi.....
então os NAZIS DEFENDEM OS DIREITOS HUMANOS ONDE POLITICOS, TRIBUNAIS E MEDIA DEFENDEM A BARBÁRIE...

espera se portanto...um aumento de votos ""nazis""....pois não há coragem de COMBATER A SELVAJARIA..tal como LE PEN em frança..já atingiu os 34%
Manuel Galvão:

As razões que aponta, válidas no passado, não me parecem presentes na Alemanha de hoje onde a economia está sólida.

Este é o meu ponto de vista. Mas, como disse, voltarei ao assunto com, naturalmente, a minha opinião, a opinião de quem julga que a dos outros pode sempre ser melhor.

De qualquer modo, obrigado pelo comentário.

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

Vasco Graça Moura