A tragédia da Madeira

A catástrofe que atingiu a Madeira só espantou pela dimensão e violência da devastação que em poucas horas transformou a cidade do Funchal num campo de lama e de morte, imagem de uma batalha perdida contra a fúria da água e do vento.

Seria de mau gosto fazer, com o sofrimento dos madeirenses, o obsceno aproveitamento político que alguns abutres, agora silenciosos, fizeram com a tragédia da ponte de Entre-os-Rios, mas é altura para o diagnóstico sobre as causas que ultrapassam os fenómenos naturais cujo número, dimensão e intensidade ameaçam agravar-se com as previsíveis alterações climáticas.

A construção desregrada, sem respeito pelas linhas de água ou – pasme-se – no próprio leito das ribeiras, não pode exonerar de responsabilidades quem faz e aprova os célebres PDMs (Planos Directores Municipais) ou quem os ignora e autoriza a violação.

Não está em causa apenas a Madeira, é o País inteiro que está sob escrutínio da opinião pública. Quem deixou construir hotéis e piscinas na orla marítima, de Caminha a Vila Real de Santo António, sobre dunas ou em terrenos abaixo do nível do mar? Quem autorizou as vivendas e restaurantes sobre as arribas sem respeito pelo impacto visual e a estabilidade das rochas? E quem solicitou tais atropelos ambientais?

A falta da regionalização administrativa, com as cinco regiões-plano, capazes de massa crítica para se contraporem aos desmandos municipais, abandonou o ordenamento do território nacional ao poder discricionário de caciques e de fiscais, capazes de fecharem os olhos sem medirem as consequências.

Para lá do perigo iminente que correm as regiões ribeirinhas, todos seremos chamados a pagar as catástrofes anunciadas. Hoje na Madeira, amanhã na Caparica ou no Algarve.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

molin disse…
Dedo na ferida. Mesmo em momentos de desgraça não se pode esquecer a raiz do problema.

Assino por baixo.
Ana Rita Mateus disse…
Está realmente muito bem visto! *
jrd disse…
Enquanto isso, o senhor da Vigia, que chama canalha a quem o questiona, iniciou a fuga p'ra frente.
Sobre este tema, vale bem a pena ler um texto premonitório escrito há mais de 25 anos por um Eng.º Silvicultor, e publicado no «DN» do Funchal - ver [aqui].
A. João Soares disse…
Estamos perante uma Tragédia que faz pensar. A lição deve ser meditada e aplicada na prevenção de casos do mesmo género que podem ocorrer noutros locais embora com menor gravidade. Há que respeitar o leito de cheia, há que adaptar as soluções à força da Natureza.
Veja o link atrás

Cumprimentos
João
Marco disse…
Os perigos desta situação já tinha sido referidos num programa da RTP, em 2008.
Ver este video.

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária