Aberta a caixa de Pandora…

Tal como pairava no ar, Pedro Passos Coelho, em Bruxelas, num encontro com os seus parceiros do Partido Popular Europeu [Centro-Direita], mete os pés pelas mãos.

Primeiro, afirma não ter um “conhecimento completo da situação financeira…” link pelo que não é capaz de propor medidas concretas.
Por este caminho e como as eleições vão demorar cerca de 3 meses, pensará o dirigente do PSD ser possível “suspender “ o País durante tão dilatado tempo?
Claro que, nos contactos havidos em Bruxelas, terá tido conhecimento que não dispõe desse tempo.
O Estado precisa de financiar-se a curto prazo e são insuportáveis os juros das Obrigações de Tesouro [em todas as “maturidades”]. De facto, as agências de notificação financeira - no seguimento da crise política - começaram a depreciar o rating de Portugal num ritmo inexorável. link

Entretanto, por cá, o PSD exibe as primeiras e insanáveis contradições na gestão da crise.
Confrontado com o agravamento da situação financeira decorrente da crise política, o secretário-geral Miguel Relvas link "ateou o fogo ao palheiro". Admitiu a eventualidade de aumentar o IVA para 25 %, i. e., taxando o consumo, mas como o seu próprio partido reconhece trata-se de um “imposto cego” link que afectará os 10 milhões de portugueses… Ao contrário do que Relvas sugere o aumento do IVA não poupa os mais desfavorecidos, atinge todos e na mesma medida.

Aliás o IVA foi um dos cavalos de batalha do PSD aquando da discussão do OE 2011…

Finalmente, Passos Coelho que se mostrou tão indignado por Sócrates ter negociado o PEC IV em Bruxelas antes de o fazer cá, ontem, andou a distribuir aos seus parceiros europeus do PPE, reunidos na mesma cidade, uma “carta-compromisso” cujo conteúdo os portugueses desconhecem… mas adivinham.
Será o PEC IV revisto e aumentado ou, para não plagiar, o PEC 5-1 = [4]!

Na verdade, o PSD quando decidiu ir ao pote acabou por, inopinadamente, abrir uma caixa de Pandora

Comentários

Miguel disse…
É verdade, acabou por mostrar a face ainda mais cedo do que pensava. E entretanto, os dois partidos vão esgotando a crença, sobretudo porque fazem da mentira e da opacidade armas fundamentais. Ontem estive a ler o programa de governo do ps, 2009-2013, "avançar portugal"... deixo aqui o link: resource://scrapbook/data/20110325022818/programa_de_governo_do_ps.pdf

Fiquei, por exemplo, a saber que "os outros pretendem cruzar os braços e esperar que a crise passe, ao contrário do ps, que pretende vencer a crise". Isso conferiu-lhes uma legitimidade tal que... até a uma passeata com o figo em vésperas de eleições a troco de dinheiro foram obrigados. Eram cheques bebés, aumentos, mais reduções fiscais (ainda em 2010, o santos silva garantia na tv que estava fora de causa um aumento de impostos), vinham aí aqueles que tinham uma "visão de futuro". Falharam. E não só falharam como fizeram jogo sujo.
E agora resta-nos um passos, obrigado ps e governo de sócrates pela herança.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975