Padres e demónios

É paradoxal serem os crentes infectados com demónios e os ateus imunes aos espíritos malignos.

A população demoníaca tem-se reduzido ao longo dos anos com o avanço da ciência, quiçá porque os espíritos das trevas se anteciparam no planeamento familiar ou, para arreliarem o Papa, porque foram pioneiros no uso da pílula e do preservativo.

Mais raros, mas não extintos, os espíritos malignos existem. Os livros sagrados dedicam várias páginas a esses agitadores de almas pias. O exorcismo é a terapêutica exclusiva aprovada pelo Vaticano, desde que o alvará para o seu exercício seja de um padre católico e, em casos difíceis, só com licença episcopal.

Em Portugal há um velho especialista, com 72 anos, a tirar espíritos de corpos sofridos, padre Humberto Gama, que se dedica aos difíceis combates com o demo, das 7 às 22 horas, aliviando a carteira e as possessões demoníacas a cerca de 20 possessos diários. Com consultório em Fátima e Mirandela já foi proibido de dizer missa e teve vários dissabores um dos quais com um marido que discordou do sítio por onde extraiu os espíritos da amantíssima esposa, na convicção de que o tamanho e a quantidade não precisavam de tão larga e recôndita reentrância. Mas o que sabe um leigo de espíritos?! O padre Gama alegou que têm de sair por algum lado e disse-o convicto à TVI onde fez exorcismos em directo antes de actuar na RTP-1.

Agora, em Figueiró dos Vinhos, o padre José Rosa Gomes recebe na igreja, todas as semanas, centenas de fiéis a quem purifica e resolve os problemas. As mulheres, mais atreitas ao maligno, encontram nas mãos do sacerdote a benzina que desencarde a alma e nas orações o demonífugo que as liberta das apoquentações do demo, desmaiando ao som de cânticos enquanto o mafarrico emigra para outras bandas.

O reverendo Rosa Gomes exorciza das 21H30 à 01H00 da manhã durante a cerimónia da «Adoração do Santíssimo Sacramento», à quarta-feira na igreja de Figueiró e à sexta na do Beco. Vêm camionetas de vários pontos do país cheias de crentes para serem exorcizados. Depois dos desmaios as endemoninhadas acordam havendo quem precise de horas e orações suplementares à porta fechada mas todos ficam com a alma a luzir como prata depois de esfregada com solarina.

O bispo de Coimbra, Albino Cleto, manifestando algum receio, já aconselhou cautela com algumas situações de ordem médica e prefere designar por «orações de cura» a liturgia do exorcismo. De resto, o «grande exorcismo» só pode ser praticado por padres previamente autorizados pelo bispo da diocese e, talvez, só se justifique para demónios resistentes aos pequenos e médios exorcismos.

Em Figueiró dos Vinhos, onde o povo andava arredado da missa desde que o bispo de Coimbra despediu um padre estimado pelo povo, não por ter uma filha mas por assumir a paternidade, a fé voltou e conquista novos crentes.

Os cânticos do padre indiano James Manjajackal entoam na igreja enquanto o colega Rosa Gomes reza para afastar o demo.  A oração e a cantoria têm um efeito sinérgico e não há demónios que suportem o barulho e a ameaça da cruz. Preferem emigrar.

Fonte: DN de 07-03-2011, pág. 16, por Sónia Simões

Comentários

todos têm os seus demónios e medos pessoais

ateus inclusos

os exorcismos podem ser com vodka em vez de voda benta

mas é lo mismo
ana disse…
Também as aparições e milagres discriminam os ateus. Não é bonito, nem justo.
ana
e-pá! disse…
..."A oração e a cantoria têm um efeito sinérgico e não há demónios que suportem o barulho e a ameaça da cruz. Preferem emigrar."

Os "demónios" adoptam o mesmo caminho que milhares de portugueses: - emigram!

Qual a razão desta "febre"?

Não será a mesma que condiciona "comportamentos de fuga" quando a vida está difícil?
Isto faz-me lembrar o episódio biblico em que o lendário judeu Jesus tirou os espíritos maus dum
homem e êles foram introduzir-se numa vara de porcos que se precipitaram no Mar e se afogaram,
e o dono dos porcos é que pagou as favas,que é como quem diz,ficou a perder,sem ter culpa nenhuma.
É caso para dizer que o tal judeu lendário Jesus também não era amigo
dos animais,pelo menos dos porcos.
E segundo o velho rifão,quem maltrata um animal,não é de bom natural.E há o outro caso em que o
tal judeu lendário Jesus porque uma figueira não tinha figos,pois não era a época de os ter,com um
gesto,secou a figueira.Pois consta que êste Jesus que após ter,ainda menino,causado espanto aos rabinos e doutores da Lei no Templo,êle
desaparece e só aparece aos 30 anos a prégar e a fazer «milagres»
que consta serem habilidades de
ilusionismo e prestidigitação que êle terá aprendido na India para onde terá ido numa caravana de mercadores e onde terá passado muitos anos e terá então aprendido lá as artes de magia dos faquires
e de volta à Palestina fazia então os tais «milagres»não só de enxutar
os espiritos malignos como até de ressuscitar os mortos e fazer da água,vinho.Credo quia absurdum est,dizia o filósofo.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime