Momento de poesia



Quando danças à espera do meu abraço…

Pluma de uma dança esvoaçante, silhueta de luz
flutuante, na delicadeza dos teus passos
o corpo a desdobrar-se, ganhando formas
e sentidos em constantes movimentos.
Ondulações suaves na busca da harmonia,
cortando o  ar ao  dardejar  dos braços,
em apelos vibrantes ao fogo do meu olhar
e a cavalgar os hinos de sinfonias mitológicas,
que decifras a cada instante.

Sinto o bafo quente que exalas quando falas
desse  teu  corpo  que se eleva, suspenso e tenso,
numa leveza etérea, ausência da gravidade
que a todos amarra à Terra,
e és uma linha firme, o fio de uma lâmina
brilhando no firmamento,
na apoteose final do meu abraço…

Alexandre de Castro
Lisboa, Novembro de 2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime