PASSOS COELHO JULGADO À REVELIA

Reabriu ontem, em Coimbra, o Museu Machado de Castro. Há muito que Passos Coelho tinha prometido abrilhantar a cerimónia com a sua luzida presença. Porém à última hora faltou-lhe a coragem e não compareceu, fazendo-se representar, nem sequer pelo ministro da Cultura, mas por um obscuro secretário de Estado.

Muitos manifestantes aguardavam o primeiro ministro para protestar contra as políticas do governo. O secretário de Estado, de tão obscuro que era, conseguiu passar despercebido, confundindo-se com os assessores de uma vereadora da Câmara.

A manifestação fez-se na mesma. Passos Coelho foi julgado à revelia.

Comentários

Retificação: informou-me uma leitora - e eu confirmei - que afinal agora nem sequer há ministro da Cultura; há apenas o tal secretário de Estado. Este governo gosta tanto de cultura que até a despromoveu a secretaria de Estado...
É verdade, caro Horta Pinto. Nisso foi este Governo coerente.
Qualquer dia, Passos Coelho terá de mandar o porteiro, para o representar.
António Horta Pinto: Não é verdade! Existe cultura, sim senhor - a dos nabos!...
e-pá! disse…
O secretário de Estado, desta vez, conseguiu passar por entre os pingos da chuva. Não deve cantar hossanas pelo feito. Ninguém consegue iludir tanta gente durante muito tempo. Brevemente acordará encharcado...
Manel disse…
Caro amigo Alexandre de Castro,
Aceite aqui o meu protesto.
A confraria Nabos e Companhia, da qual sou membro efectivo, portanto sou Nabo, tem defendido até nos dentes a Cultura Gandaresa.
Agora reparo que o meu amigo escreveu nabo e não Nabo.
Agora sou eu que peço desculpa.
Manel
Um autêntico Nabo

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime