Ainda o 40.º aniversário do 25 de Abril e do 1.º de Maio

Quarenta anos passados sobre a manhã libertadora de Abril, regressam o medo e a fome. Por ora não é ainda a PIDE que prende, é o desemprego e a destruição metódica e eficaz dos direitos conquistados que paralisam o povo e o impelem de novo para a aventura da emigração e incerteza do futuro.

Os atuais governantes têm um projeto político extremista e o objetivo de cercear direitos e fazerem do país um laboratório do ultraliberalismo, “custe o que custar”. O desespero que espalham é a semente das convulsões que se avizinham num retrocesso que os mais pessimistas estavam longe de prever.

Apagaram símbolos identitários da Pátria, com a alienação dos feriados do 5 de Outubro e do 1.º de Dezembro, enquanto o 10 de Junho, com um PR de escassa cultura, volta a ser, como no salazarismo, o altar da exaltação da raça, com a permanência dos feriados pios, por imposição do Vaticano, num ato de desprezo e humilhação do país.

A reabilitação da guerra colonial e o regresso dos velhos valores têm um discurso, uma lógica e um projeto, seguidos pelos que nunca se conciliaram com a perda do Império e a desonra da ditadura. Só faltava arruinar os portugueses e submetê-los pelo medo. O  desemprego e o empobrecimento coletivo estavam nos planos deste governo extremista, que vê no ultraliberalismo o caminho da salvação.

É o retorno mole a um passado afrontoso e a um quotidiano de desespero.

Abril cumpriu a descolonização, o desenvolvimento e a democratização e não foram os seus capitães que agravaram as desigualdades sociais ou contribuíram para a perda da generosidade, entusiasmo e solidariedade que galvanizaram Portugal e os portugueses.

Ninguém ignora a crise financeira que assolou o mundo, mas não há justificação para a iniquidade na partilha dos sacrifícios nem para a abolição de direitos a que só a cegueira ideológica e o espírito de vingança marcam o ritmo e a seletividade.  

A Pide, as prisões políticas, a censura, o degredo, o exílio, a tortura, a discriminação da mulher, a violação do domicílio e da correspondência são dolorosas memórias dos mais velhos. Restauraram-se os direitos cívicos, implantou-se a democracia. É pouco? Nunca tão poucos fizeram tanto por Portugal como os capitães de Abril. Não deixemos agora que outra gente nos conduza ao passado.

A escalada contra as conquistas democráticas deve ser parada. A fidelidade ao ideário da Revolução de Abril é a forma de contrariar a mais violenta ofensiva da direita, nos últimos 40 anos. Nada, absolutamente nada, pode ser pior do que o Portugal beato, rural e analfabeto que o salazarismo preservou graças ao analfabetismo e à repressão. 


Na ditadura, o País não era a casa comum dos Portugueses. Era a cela coletiva de quem não fugia. O 25 de Abril transformou Portugal. Tanto tempo nas nossas vidas, tão pouco na história de um povo. É tempo de recuperar o espírito de Abril.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …