Anticlericalismo e ateísmo


O ateísmo é a posição natural de quem não acredita em anjos, nas mentiras repetidas dos livros sagrados, nas religiões, na trapaça dos milagres e no delírio do sobrenatural.

Ser ateu é cultivar a dúvida, manter a sanidade mental que as certezas metafísicas põem em xeque e não acreditar em Deus e na família disfuncional que lhe inventaram.

O ateísmo é a forma descontraída de negar o que os crentes afirmam de forma crispada, desprezar os dogmas, os rituais e a liturgia do divino que tanto trabalho deu aos homens a inventar.

Ser ateu é querer morrer de pé sem ter de viver de joelhos, viajar de rastos de templo em templo, dobrar a coluna aos parasitas da fé e contribuir para a difusão das religiões.

Ser anticlerical é denunciar os avençados do divino, mostrar onde escondem as cartas dos truques, o fundo falso da mala dos milagres, o espelho escondido das ilusões e minar o poder que fruem as matilhas clericais para se dedicarem às burlas e extorsão.

O anticlericalismo é a vacina que defende o povo do respeito pela sotaina, do temor da mitra e da reverência da tiara. Denunciar o clero é dizer às pessoas que a água benta é igual à outra, que a hóstia é uma rodela sem data de fabrico, verificação das condições de higiene e sem prazo de validade nem código de barras.

Um anticlerical acredita mais facilmente na pureza do azeite da cooperativa da aldeia do que nos óleos que o bispo leva da cidade para crismar os garotos que fazem a comunhão solene. É mais limpo o óleo de girassol do que a mistela com que o oficiante faz cruzes na testa de um moribundo.

O anticlerical ama a vida, o padre vive da morte. Os homens gostam de entender-se mas o clero porfia em criar divisões, cada padre afirmando que o seu Deus lava mais branco.

Ser anticlerical é desatar a rir quando uma multidão eleva o rabo e mete o focinho no chão julgando que Deus está a ver e leva a sério essas manifestações de ridículo.

O anticlerical vê um padre com a cruz com que julga espantar o demo e lembra-se do infeliz que viaja pregado e cheio de chagas para comover os simples e sacar esmolas.

Deus foi uma funesta invenção dos homens da Idade do Bronze e o clero é a sua única prova.    

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …