Onde para o PR?

PR procura-se e dão-se alvíssaras a quem der notícias do paradeiro

O país resigna-se com o silêncio, agradece o recolhimento e rejubila quando não está ao serviço da coligação, mas gosta de saber, pelo faceboock, se está vivo.

Com o País em reboliço, não se espera que se desvincule dos 27% de reincidentes que o apoiaram, bem como aos partidos de que é porta-voz. O que o País pergunta é se deixou arrefecer o céu da boca e lá em casa preparam as exéquias fúnebres na clandestinidade.

Depois do apelo veemente à participação cívica dos eleitores, ouvido com o entusiasmo que desperta, como se viu, não mais foi achado. Não apresentou pêsames ao Governo, não saudou o PS nem enviou um telegrama a Marinho Pinto ou ao PCP. Teme-se o pior.

Nesse caso, a senhora presidente da AR deve ser avisada, para passar por Belém, se não tiver algum inconseguimento com a moção de censura ao Governo, que fazia tanta falta como uma viola num enterro.

Comentários

Bruno disse…
Que maravilha de texto! Só por este momento valeu a pena ter estado aqui a desenvolver uma hérnia na cervical.
Não diga isso, Bruno.

Um petisco desses não se deseja a ninguém, muito menos ao próprio.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido