APELO AO VOTO EXPRESSO, VÁLIDO E ÚTIL POR UMA EUROPA DEMOCRÁTICA E SOLIDÁRIA E CONTRA A COLIGAÇÃO QUE OPRIME PORTUGAL

As eleições do próximo domingo são de uma importância vital.

Está mais do que nunca em jogo o destino da Europa.
Está mais do que nunca em jogo o destino de Portugal.
Por um lado, por forma reflexa. Portugal pertence, e deve continuar a pertencer, à União Europeia. Assim, o destino do nosso País está profundamente dependente do destino da Europa.

 Por outro lado, por forma direta e imediata. Impõe-se uma derrota clara e inequívoca da tríade - governo, maioria parlamentar e presidente - que nestes últimos anos vem martirizando o povo português e subvertendo os ideais e as conquistas do 25 de Abril. Só com essa clara derrota se poderá demonstrar de forma expressa e indesmentível aquilo que já é evidente: que essas entidades perderam por completo a legitimidade democrática que obtiveram mentindo descaradamente aos portugueses mas que ainda detêm formalmente.

Por isso, nenhum verdadeiro patriota, nenhum verdadeiro democrata, pode abster-se de votar, ou votar em branco, ou votar nulo, ou votar em listas inócuas de que antecipadamente se sabe que não têm qualquer hipótese de eleger algum deputado. É indispensável que no novo Parlamento Europeu haja uma maioria democrática, que reponha em vigor os ideais fundadores das instituições europeias, a solidariedade entre os países europeus, a liberdade, a igualdade e a fraternidade, e que combata o egoísmo mercantilista que se apoderou de muitos governos da União Europeia e o manifesto retorno da extrema direita. Que lute por uma Europa de países livres e iguais e se oponha às tentativas do atual governo da Alemanha de fazer da Europa um IV Reich, conseguindo pela força do dinheiro o que Hitler não conseguiu pela força das armas. Que lute contra o espúrio racismo de alguns que defendem a superioridade nórdica sobre os povos mediterrânicos, que foram o berço da civilização.

É pois indispensável o voto expresso, válido e útil na defesa destes ideais.

Às urnas, cidadãos!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975