A Grécia e a União Europeia

A Grécia e a União Europeia

Tudo parece encaminhar-se para a tragédia grega no instante em que já tão pouco havia para perder. É a vingança da ideologia liberal contra o patriotismo do Governo grego.

Ficará para a História a coragem de Tsipras e Varoufakis, dois homens cujo patriotismo se impôs à consideração dos que, partilhando ou não o seu ideário, sentiam pelos gregos a solidariedade que os humilhados despertam.

Não foi o Siryza que levou a Grécia à bancarrota e, muito menos, o partido responsável pela crise do capitalismo internacional que semeou o pânico nos mercados e arrasou as economias mais frágeis. O casino financeiro devorou as economias mais débeis e levou os países pobres a pagar os seus desmandos.

A falência do banco Lehman Brothers Holdings Inc. esteve na origem de muitas outras, numa espiral que a inépcia dos bancos centrais e a imprevisão dos líderes dos principais países deixaram agravar.

Só o ignaro PM português, o tal que gostaria de governar com a troika e que, de facto, não se livra dela, preferindo-a ao PEC IV, pensa que a culpa da insolvência grega se deve aos atuais atores que o povo grego sufragou.

Rejubila a canalha ultraliberal, com espasmos ideológicos, e baba-se de gozo com o mal que julga restrito aos gregos. Há quem julgue que Berlim paga aos vassalos. O drama da Grécia aumenta mas, depois, enquanto a Europa se debate na crise que não soube ou quis evitar, o sistema político, económico e financeiro soçobra e terá reflexos sociais que comprometem a paz e a democracia.

Em Portugal, este Governo, esta maioria e este PR ralham de longe à Grécia para que os credores lhes atirem um osso como paga da subserviência. Resta saber até quando esta Europa, que se enredou nos seus nacionalismos, aguenta a decadência que a mina.

O abandono da Grécia, que a levou a falhar o reembolso ao FMI, provocará segunda-feira, dia 8 de junho do ano da desgraça de 2015, a queda das Bolsas, a desvalorização do euro e  a subida de juros, levando a União Europeia a perder em um só dia mais do que custaria a solidariedade durante anos.

À angústia dos seus povos juntar-se-á o princípio do fim do projeto europeu, sem ganho para qualquer país da UE, sem uma ideia de futuro para os povos do velho continente.

Comentários

Íris disse…
Caro Ponte Europa,

Alexis Tsipras e Yanis Varoufakis são agentes illuminati apoiados por George Soros para adiantar a agenda da Nova Ordem Mundial, ou seja, lançar o caos económico/financeiro para abrir caminho à moeda mundial única, ditadura mundial única, todos escravos dos Orsini, Aldobrandini, Este, Borgia, Farnese, Somaglia, Breakspeare, Medici, Conti, Colonna, Gaetani e Pamphili, escondidos atrás dos malditos jesuítas... tudo "oposição controlada"...

Cumprimentos,

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975