quinta-feira, março 31, 2011

O fim do Serviço Militar Obrigatório

Apesar de quatro anos e quatro dias que a ditadura salazarista me impôs, incluindo 26 meses na ocupação de Moçambique, para impedir o legítimo direito desse País à autodeterminação, sou defensor do Serviço Militar Obrigatório (SMO).

Num mundo que se globaliza, onde a religião perdeu o direito de se impor à força, restam o idioma, o SMO e pouco mais como factores de identidade dos povos. O SMO seria um serviço cívico para jovens dos dois géneros, em quartéis ou outras instituições do Estado, pelo período de um ano, com enorme poupança para o erário público.

Só o PCP se opôs ao fim do SMO. Lamentavelmente, as juventudes partidárias do PS, PSD e CDS, com a estridente vaidade de Paulo Portas a reivindicar o mérito da asneira, foram as grandes responsáveis pela decisão infeliz e altamente dispendiosa.

De todas as forças militares e militarizadas são as Forças Armadas as que assumem o carácter simbólico de representar o País e cumprir missões que um Governo democraticamente eleito entenda confiar-lhes. O SMO impede a transformação na guarda pretoriana em que podem ser convertidas as forças mercenárias; ficam a baixo custo e tornam iguais os deveres de todos os cidadãos perante a Pátria; facultam a rotatividade que impede o envelhecimento dos soldados; e, finalmente, dos Açores a Trás-os-Montes, estabelecem laços que dão coesão ao todo nacional.

O fim do SMO foi um erro clamoroso que nos impede de ter meios para assegurar a identidade nacional através de Forças Armadas com um mínimo de dignidade e de capacidade.

O que pareceu uma medida justa foi apenas um acto demagógico num país que não tem agora dinheiro para mandar cantar um cego. Resta-nos a dívida soberana como factor de identidade.

Ponte Europa / Sorumbático

3 Comments:

At sexta abr 01, 04:43:00 da tarde, Blogger José Gonçalves Cravinho said...

Eu,entusiasmado pelo Lema«Deus Pátria e Família» quando tinha dezasseis anos quiz alistar-me no
Exército.Alguém me disse que era ainda muito jovem e que só poderia alistar-me com dezoito anos.Isto foi em 1940.Depois de vários trambolhões na vida deixei passar os dezoito anos e quando aos 21 fui á inspecção obrigatória para a
Tropa,fiquei livre por inaptidão física,eu que se tivesse sido apurado teria ido para a Escola de Sargentos Milicianos de Tavira.
Depois de ter lido os Sermões da Montanha de Tomaz da Fonseca,fiquei
sendo ateu até hoje e ambora esteja de acôrdo que deve haver o
Serviço Militar Obrigatório,sou
anti-Militarista.

 
At sábado abr 02, 12:40:00 da manhã, Blogger Carlos Esperança said...

Caro Amigo:

Também eu sou anti-militarista mas o que está em causa é o SMO em vez de uma guarda pretoriana de um regime.

De qualquer regime ditatorial.

 
At quarta jun 17, 12:54:00 da tarde, Blogger chenlina said...

chenlina20150618
tods outlet
true religion sale
louis vuitton handbags
true religion jeans
tory burch handbags
ray ban glasses
concord 11
coach factory outlet
michael kors watches
ray-ban wayfarer
marc jacobs outlet
mont blanc pens
jordan 11 concord
abercrombie
lv outlet
michael kors uk
coach factory outlet
oakley sunglasses wholesale
jordan concord 11s
abercrombie store
abercrombie and fitch
christian louboutin outlet
burberry sale
hermes birkin
gucci outlet online
michael kors
christian louboutin shoes
chanel outlet
louis vuitton handbags
coach purses
ray ban sunglasses
gucci handbags
michael kors outlet
louis vuitton outlet
louis vuitton
michael kors outlet
burberry bags
jordan retro 11
fitflops clearance
kate spade handbags

 

Enviar um comentário

<< Home