quinta-feira, março 30, 2006

Paris – Manifestação grandiosa e violenta

A manifestação começou de peito aberto e terminou com violência cerrada.

Entre a vontade dos sindicalistas e dos estudantes e o instinto destruidor dos vândalos, venceram os últimos.

6 Comments:

At quinta mar 30, 11:29:00 da manhã, Anonymous e-pá! said...

Em manifestações grandiosas como as que ocorrem neste momento em França é totalmente impossível controlar a infiltração de provocadores (normalmente grupos de extrema-direita que adoram a violência pela violência). Foi sempre assim.
Mas, apesar disso, a mensagem está a passar.
E, para mim, a grande mensagem é que os jovens sentem não haver espaço, para eles, na actual sociedade. O problema é enorme, isto é, o presente comprometido e o futuro sem esperança.
Os estudantes, como fizeram questão de afirmar: - "não estão cansados"!

 
At quinta mar 30, 02:07:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Parece-me que espremidos aqueles milhares de pessoas que participam nas manifestações, apenas cairiam algumas gotas de convicção e coerência. Hoje os sentimentos são de uma forma geral induzidos pela comunicação social. As razões dos protestos não me parecem assim tão ameaçadoras aos jovens, já que a precaridade dos vinculos laborais pode ser facilmente ultrapassada pelo incremento no número de empregos, que esta medida vai certamente originar.

 
At quinta mar 30, 03:16:00 da tarde, Anonymous Aristides said...

Fico comovido pela profissão de fé que alguns fazem nas medidas neo-liberais do tipo : vamos dar cabo do emprego para haver mais emprego. É extraordinário!
Quanto à violência nestas manifestações, eu tenho uma posição politicamente incorrecta, porqwue acho que os responsáveis sãos os mass media. E digo isto porque, se uma manifestação decorre ordeiramente é como se não se tivesse passado nada, mas se surge uma pontinha de violência é isso, e apenas isso, que transparace para as primeitras páginas.
Quanto à coerência, muito haveria a dizer por exemplo, dos agora mitificados lideres do Maio de 68.
Por aqui me fico, porque esta questão levaria páginas e páginas que não cabem num comentário deste tipo.

 
At quinta mar 30, 07:37:00 da tarde, Anonymous e-pá! said...

A grande questão para os jovens franceses é o trabalho. Para os jovens franceses e para toda a Europa.
Quando acabam a formação não encontram lugar na sociedade. Os postos de trabalho estão ocupados.
Vão continuar ocupados. A economia está estagnada. Vai continuar em perda (consequencias da globalização). O desemprego é endémico. A rotatividade está comprometida pois os actuais titulares vão continuar nos seus postos por mais anos (alongamento da idade da reforma). Esta é, sim, uma situação neo-liberal. Um verdadeiro ciclo vicioso.
Bastante diferente de Maio de 68.
Perante isto - como os jovens franceses - ninguém fica em casa sentado!

 
At quinta mar 30, 11:21:00 da tarde, Blogger cãorafeiro said...

não concordo.

polícia e organizações sindicais e estudantis coordenaram-se entre si para isolar os vândalos.

numa manif com entre 1 milhão e 3 milhões de pessoas DE TODAS AS IDADES, porque os jovens têm pais e avós que estão solidários, a expressão dos disturbios é reveladora de que há que ter muita cautela na organização de grandes manifestações, mas SOBRETUDO que nas veias dos franceses ainda corre o sangue da REVOLUÇÃO FRANCESA.

 
At sexta mar 31, 11:20:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

CPE: "Contrato de Primeiro Emprego"

ou,
como os franceses glosam...

"Contrato de Precaridade e Exclusão".

 

Enviar um comentário

<< Home