A ONU e o Irão


Teerão tem trinta dias para suspender enriquecimento de urânio

«Não vamos, de certeza absoluta, voltar a suspender o enriquecimento de urânio.»

O desafio do embaixador iraniano na Agência Internacional de Energia Atómica, é a resposta oficial de Teerão ao prazo de 30 dias dado na última quarta-feira, à noite, pelo Conselho de Segurança da ONU, para o Irão suspender as actividades nucleares.

Por ora não será fácil obter o consenso da Rússia e da China às represálias que os outros membros do Conselho de Segurança preparam. Mas não tenhamos dúvidas de que a lei da força vai ser usada.

Os países com armas nucleares não têm moral para impedir o acesso ao clube nuclear de novos países mas sobra-lhes força. Ao Irão mingua-lhe força mas sobra-lhe vontade e vê, nessa ousadia, a forma de conservar um poder anacrónico e uma ditadura teocrática.

Os dados estão lançados. A guerra pode começar em breve. Avizinha-se uma nova tragédia.

Comentários

e-pá! disse…
Se nos mantivermos lúcidos - e ao mesmo tempo idealistas - temos a perfeita noção que grande parte dos problemas do Próximo e Médio Oriente se resolveriam com o desarmamento dos Países dessa região. Um desarmamento global e não só nuclear. Restariam as forças de segurança, despojadas de capacidade bélica que hoje possuem.
Partindo desta premissa, seguiam-se confrontos cívicos e, dadas as características regionais, alinhamentos religiosos. A luta política (saudável, civilizada) e a tolerância religiosa (diálogo) tomariam o lugar dos confrontos.
Esta simples (simplista) e ingénua proposição, parecendo pobre e vazia, seria um enorme avanço civilizacional. Todavia, não toma em linha de conta os interesses locais e regionais instalados e a interferência (jogo)das grandes potências mundiais, pelo que, no aeropago político internacional (ONU), esteja na ordem do dia o fantasma de novo confronto bélico.

CE: completamente de acordo!
"Avizinha-se uma nova tragédia."
e-pá!
«Um desarmamento global e não só nuclear. Restariam as forças de segurança, despojadas de capacidade bélica que hoje possuem».

RE: Não considero uma «simples (simplista) e ingénua proposição».

É uma necessidade de sobrevivência planetária.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita