PSOE – 2.º Aniversário


Nem a coligação com interesses divergentes, nem o processo de descentralização de que a Catalunha é um teste arriscado, nem as intrigas de Aznar e o azedume de Mariano Rajoy, nem a hostilidade da Conferência Episcopal, afastaram o PSOE do desígnio de modernizar Espanha e colocá-la na vanguarda dos países civilizados.

Zapatero é a cara e a alma dessa mudança, por vezes tumultuosa, de um grande país onde o peso de um passado sombrio ainda se faz sentir.

O PSOE é a força que rompe com o passado e Zapatero o protagonista de um futuro que encontrou na Europa livre e democrática o seu desígnio.

Viva Espanha. Parabéns presidente Zapatero.

Comentários

Rodríguez Zapatero nasceu em Valladolid de uma influente família da área da esquerda. O seu pai, Juan Rodríguez García-Lozano, era um advogado notável. O seu avô, Juan Rodríguez Lozano, era um capitão republicano executado pelos nacionalistas na guerra civil de Espanha.

Da área comunista foi influenciado pelo carisma de Filipe Gonzalez que ouviu pela primeira vez em 15 de Agosto de 1976 em Gijon.

Após a licenciatura trabalhou como professor de direito constitucional na Universidade de León. Foi eleito para o Parlamento em 1986, e em Outubro de 1991, foi suspenso o seu contrato universitário com a tomada de posse de um novo Reitor que determinou que a sua posição de Professor e Deputado eram incompatíveis.

Em 27 de Janeiro de 1990, Rodríguez Zapatero casou com Sonsoles Espinosa Díaz, filha de um oficial general (Rafael Espinosa Armendáriz). É pai de duas filhas Laura (1993) e Alba (1995). A sua família nunca apareceu aos media espanhóis e não existem sequer imagens de suas filhas. Terá sido herdeiro de uma carta de seu avô antes do fuzilamento.

Perfeito - o curriculum deste primeiro-ministro encaixa perfeitamente na diferença de desenvolvimento entre Portugal e Espanha.

Não precisa de parabéns. Corre por gosto e vai longe !
Já repararam nas semelhanças desta história com a que aqui escrevi sobre Michele Bachelet, actual Presidente do Chile.

Razão, Emoção e sentido de que se luta pelo testemunho a que se tem direito.

Daí em diante a História está assegurada, a Nobreza e o Clero em sentido e o Povo tranquilo e colaborante.

Em frente, teu avô observa-te !
Anónimo disse…
Vejam o contraste:

José Socrates começa a sua carreira política no PSD...
Cardeal:

Obrigado pelo testemunho aqui trazido. Vale bem mais do que o texto com que assinalei a data.

Que nunca lhe doam as teclas.
jagudi disse…
Com intervenções deste teor, não são apenas Espanha e Zapatero que ficam sublinhados. É o Ponteeuropa que se afirma como fonte de lucidez, discernimento, sabedoria e entendimento da história (na blogosfera indígena). Honra lhe seja feita! Que proveitos não lhe auguro muitos, nesta terra de cafres!
odete pinto disse…
Zapatero não lê o que escrevo mas felicito-o, bem como ao seu governo. Soube-me bem ler o post e os comentários sobre o país que tão bem tem acolhido um dos meus filhos e os meus três netos. Na educação, na saúde, em tudo.
Um país onde o BEM COMUM comanda a lei e a vida, onde O CIDADÃO conta!

Se entenderem por bem, nuito gostaria de ler um post sobre os difíceis anos de Felipe Gonzalez, em contraste do que, na altura, se fazia em Portugal.
A diferença (toda) vem daí.
Anónimo disse…
Zapatero és um nojento.
Vais ter um fim triste!
vai uma aposta?
jagudi disse…
Hombre! Não me diga que vêm outra vez aí os tércios mouros de Melilla! Ou vai ressuscitar o Torquemada?
Qualquer delas dava jeito, isso entende-se! Mas uma coisa são desejos de alma, e outra as realidades da vida!
Hombre! Há cem anos que os espanhóis vivem libertos da bebedeira e da gangrena dos sonhos imperiais. Nós, que tanto padecemos da mesma doença, só ontem nos vimos livres dela. É essa a medida do nosso atraso. E é por isso que os espanhóis tanto nos surpreendem. Tanto, que a gente nem quer acreditar. Mas é verdade, hombre!

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita