Coimbra e a co-incineração

A previsível decisão do Governo não apanhou ninguém de surpresa. Souselas seria, para quem leu o relatório da Comissão Independente, a primeira opção por ter a cimenteira mais moderna, onde a produção de «resíduos de resíduos» é menor.

No entanto, o circo mediático já saiu à rua. A pressão e a intimidação estão aí sobre os defensores da co-incineração. A glória de aparecer na televisão está ao alcance de qualquer um. Quem tem posições diferentes não é ouvido nem respeitado.

Carlos Encarnação multiplica-se em entrevistas e fala da morbilidade da população de Souselas gaguejando as moléstias de que padece, pouco habituado ao jargão médico e a relatórios epidemiológicos.

Antes de inaugurar o Metro, de cuja construção fez depender a sua recandidatura, antes da demolição do último andar das torres sobre o Mondego cuja ordem se esquece de fazer cumprir, já ameaça interditar a co-incineração em Souselas.

Entendamo-nos. A Comissão Independente não foi contestada na sua composição nem nas suas conclusões. Apenas o actual Provedor do PSD para o Ambiente votou contra, sem ter apresentado argumentos. Quem, como eu, não é cientista acredita no que dizem os técnicos. E os cientistas da referida Comissão estão ao abrigo de suspeitas partidárias e gozam de enorme prestígio académico.

Se a população de Souselas se encontra enferma não é por causa da co-incineração que ainda não começou. É, quando muito, por causa da fábrica de cimento. Assim, o que há a fazer é pedir a transferência da fábrica, não é impedir que 260.000 toneladas anuais de Resíduos Industriais Perigosos (RIP) continuem a envenenar o País.

É esta incúria, e a atitude irresponsável que Durão Barroso legou ao PSD, que devia envergonhar os adversários da co-incineração.

Comentários

Senhor Esperança:

Eu sei que o Senhor sabe que não há comissões técnicas independentes.
Também sei que várias comissões técnicas chegaram a resultados sempre diferentes - mas uniformes numa coisa: uma cimenteira da Secil e outra da Cimpor.

Grandes técnicos !

Já agora lembra-se quem é o Presidente ? Pergunte-lhe porque é que saíu rasteirinho da Universidade Católica. Quando descobrir fica a conhecer a personagem.

Mas o Senhor acredita. Tão crédulo que nem parece o Esperança.
Anónimo disse…
Então onde está a liberdade de expressão?
a liberdade de contestar?
a história do "circo mediático já saiu à rua" não achincalha quem discorda?
A Comissão Independente é o novo
Maomé?
Independente de quê? (do poder político que a nomeou?)
Alguma vez os seus membros, para além da sua qualificação técnica, fizeram uma declaração de interesses?
Devemos ficar atentos aos cargos que vão desempenhar no futuro?
As conclusões da C"I" foram discutidas onde?

E, esta:
"Se a população de Souselas se encontra enferma não é por causa da co-incineração que ainda não começou."
Quem será responsável de zelar pela saúde pública das populações?

Ou o cinismo do Ministro do Ambiente hoje na RTP 1:
com a co-incineração a população correrá menos risco.
Pergunta-se: porque não se obrigou a cimenteira de Souselas a colocar torres de reciclagem de resíduos e outros sistemas de depuração, antes?
Vamos imputar tudo o que puder vir a suceder, ao "antes da co-incineração"?

Finalmente, este país não tem especialistas em saúde pública?
Ou só tem engenheiros?
É que para estes "o circo mediático já saiu à rua"...
Anónimo disse…
Se a co-incineração e assim tão "pacífica", porque não se coloca ao País a seguinte pergunta:

QUE TAL UMA UNIDADE DE
CO-INCINERAÇÃO À SUA PORTA?
- SIM
- NÃO
Zaratustra disse…
Este tema deve levar os pensadores a subir as montanhas. É para quem tem pernas altas.
Preciso de ar fresco. De respirar. Afastado de tantos gases. De tanta informação contraditória.
Passem bem!
Até breve!
A Comissão era independente porque foi nomeada do seguinte modo:

1 elemento indicado pela Universidade de Aveiro;
1 elemento pela Un. Coimbra;
1 elemento pela Un. Porto;
1 elemento pelo Governo.
(3 elementos sem qualquer interferência do poder político)

Previamente a A.R comprometeu-se a aceitar a decisão.Apesar de unâninime foi o que se viu.
O que se fez neste tempo todo?
............
Acabei de ver as entrevistas feitas na SIC - Notícias.C. Encarnação apenas disse que não queria a co-incineração por prudência. Porque não.
paz ambiental disse…
Não percebo muito de resíduos nem de co-incineração.
Mas talvez fosse uma boa oportunidade de regionalizar a coisa, em vez de dar só a Coimbra.
Dê-se a co-incineração a todas as cimenteiras, por região, e o país ficará melhor. Uma às portas do Porto, outra de Coimbra, outra de Lisboa, e por aí fora.
Se não faz mal a Coimbra, também não há-de fazer mal a Lisboa, não é verdade?
Por isso, acabe-se com a imbróglio e regionalize-se a co-incineração.
E todos ficaremos bem.
Anónimo disse…
CE:

A C. Independente sofre de um mal "insanável". Foi nomeada para
ratificar (não rectificar)uma decisão política previamente tomada.
A partir daí perdeu a confiança do País.

A título de mero exemplo, 1 dos seus membros foi nomeadado, como
"independente", para a Direcção da Coordenação HIV/SIDA, organismo governamental...

CE:
Gostaria que as Universidades fossem independentes do poder político - para lhe poder dar razão!
Pensei que havia cientistas honestos e incorruptíveis.

E continuo a pensar.

Apenas um, sendo ilustre no campo médico, é (era) ignorante em questões de resíduos, fez carreira política.

É hoje o Provedor do PSD para o ambiente do concelho de Copimbra.
Primeiro de Janeiro, hoje:
«Estudo
Souselas doente


Segundo o estudo SaúdeCentro 2005 divulgado o mês passado pela Administração Regional de Saúde do Centro, a prevalência de doenças respiratórias na região centro é de 5,8 por cento, sendo que para Souselas é de 12,9. Particularmente grave é a prevalência de bronquite crónica, doença pulmonar crónica obstrutiva e enfisema, em que a prevalência para a região centro é de 4,3 por cento, e para Souselas de 11,5. Na prevalência de doenças cardíacas, os 12,6 por cento da região centro ficam para trás, contra os 19,5 por cento de Souselas, e as doenças tumorais representam em Souselas uma prevalência de 6,1 por cento, contra apenas 2,8 por cento no centro. O estudo, coordenado pelo catedrático de medicina de Coimbra Massano Cardoso, envolveu mais de 24 mil adultos da região centro e permitiu pela primeira vez caracterizar as patologias, tipos de vida e comportamentos da população da região centro».
Esse estudo não é sério ?

A população de Souselas que devia ter mangas de filtração de resíduos só os teve quando se pensou fazer co-incineração. Esse trabalho epidemiológico são o resultado do trabalho de uma cimenteira que apresenta lucros monstruosos, à custa da saúde das pessoas.

E a responsabilidade social das empresas ?

Esteve mais que uma vez escolhida Alhandra, às portas de Lisboa, e mais próxima para transportar os RIP - depois de "trabalhados na mergem sul" mas um estudo de opinião revelou que a resposta em Alhandra,liderada pelo PCP, seria fortíssima e talvez incontrolável.

Um estudo de opinião realizado em Coimbra demonstrou que quer a Universidade castrada por um Reitor que a deixou ao nível político do Politécnico de Freixo-de-Espada à Cinta, quer a população seriam permeáveis à hipótese.

Apesar dos RIP terem de percorrer 200 Km de auto-estrada para serem queimados, Coimbra foi escolhida.

A teimosia também chamada determinação do actual primeiro ministro fez o resto.

Cá estamos para ver se somos mais dóceis que os de Alhandra ou se o primeiro ministro quer começar a cavar a sepultura em Coimbra.
Já agora já encontrou o "independente" que saíu fininho e sério da Universidade Católica.

E o actual governo já arranjou algum tacho para um dos mais activos membros da "Comissão Independente" ?

Informe-se Senhor Esperança que só depois de informado tem "output" adequado e depois já não quer co-incineração em Coimbra.
Eminência:

Fico-lhe grato que me informe sobre o «o "independente" que saíu fininho e sério da Universidade Católica».

Ensinar os ignorants é uma obrigação do seu múnus.
Ah

Do do tacho já sabe !

Do outro pergunte ao aesperanca que ele diz-lhe.

Para mim são segredos de confissão.

cardeal
Respeito os segredos de confissão mas também não sei do do tacho.

Aliás, para desacreditar a ciência nada como assassinar moralmente os cientistas.
Anónimo disse…
Co-incineração em Lisboa, já!

Coimbra não pode ser beneficiada
com tantos resíduos. Afinal, onde é que se produz essa coisa?

Lisboa também quer a co-incineração!
E onde vamos incinerar os resíduos do HUC que vão para Lisboa?
Anónimo disse…
"cientistas honestos e incorruptíveis.".
Óbvio que os há, e muitos. Mas não estavamos
a falar em abstrato. A generalização é um método de ocultação.
Deve-me conceder a mercê de poder considerar que também os há desonestos e corruptíveis.

E, que dizer de elementos que no governo PS em que J. Socrates foi Min. do Ambiente são "independentes" e, por exemplo, no lamentável período PSD/CDS, respigam, insistem nas soluções encontradas e, finalmente, são enxovalhados.
A CI mostrou que não queria estudar soluções técnicas, queria impôr soluções (tecno-políticas?).

Agora, passados anos, temos mais do mesmo...
Anónimo disse…
Só uma correcção...parece-me que o ultimo andar das torres dos mondego já começaram a ser demolidos há algumas semanas, ou não?
Politicae disse…
Lembro que a Quercus já veio dizer que concorda com o método e que estamos a falar de um meio complementar ao dos CIRVER, sendo apenas queimados uma pequena parte ínfima que não pode ser eliminada em CIRVER.
A quercus afirmar estar ao lado do Ministro do Ambiente.
reciclado disse…
Os resíduos dos HUC podem ser co-incinerados cá. Mas os resíduos que produzem lá em baixo por alma de quem vão andar a passear na autoestrada, com riscos de acidente acrescidos?
Deixem ficar essa coisa lá em baixo, que a gente passa bem sem ela.
Os resíduos dos HUC, que eu saiba, só podem ser incinerados em dois locais: Em Lisboa e numa incineradora a sul dio Tejo.

Aliás, creio que alguns resíduos hospitalares, não só do HUC naturalmente, vão sempre para esses dois locais.
Este texto foi hoje publicado no «Diários as Beiras».

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975