Eleições regionais dos Açores

Resumo: O PS ganhou 1 deputado ao BE; o PSD ganhou 2 ao CDS; o resultado mais estimulante foi a derrota do CDS, passou de 5 para 3 deputados.

Conclusão: Marcelo Rebelo de Sousa e Marques Mendes perderam as eleições regionais nos Açores.

Comentários

JCardoso
Posted 14 Outubro, 2012 at 22:44 | Permalink
Eleições Regionais Açores
2012 – 2008
PS | 31 – 30
PSD | 20 – 18
CDS | 3 – 5
BE | 1 – 2
CDU | 1 – 1
PPM | 1-1
Apesar de tudo, os resultados nos Açores contrariam a rua, a comunicação social, os fazedores de opinião, um pé cá e outro lá e os líderes da oposição.
Quem era suposto ser castigado, PSD sobe dois lugares. Quem era suposto subir muito, PS sobe um lugar. Quem era suposto querer passar pelos pingos da chuva, CDS baixa dois lugares. Quem era suposto subir bem e ao ritmo das manifestações e das greves, CDU fica no mesmo sítio e não mexe. Quem era suposto subir bastante como os cogumelos a despontarem em comissões folclóricas de tudo e de nada, BE baixa para metade.
Os grandes perdedores das eleições regionais nos Açores são o BE, olhos nos olhos há que dizê-lo senhores jornalistas, e o CDS que com a táctica de um pé dentro e outro fora, escanchou-se por completo.
E anda por aqui uma mosca rara sem aeroporto para aterrar a assobiar para o lado como o fez Luís Fazenda na declaração à comunicação social, que à grande derrota, dado o contexto que se vive, do BE, disse zero. Uma imensa derrota.

uma imensa esperança para o PS um pequeno revés para a humana idade

é o velhoristão que benceu né

é o alberto joanistão azoriano a fin cionar

bitória

só se for das muscas
nã senhor o PS ganhou 8000 votos



Carlos Manuel Martins do Vale César

44 940






PPD/PSD

-

27 254 ganhou 8000 votos






CDS/PP

-

7 857 perdeu 1500 ou perto disso

resumindo perderam todos menos os dois que ganharam

e a abstenção perdeu 1 e tal %

2000 e tal votantes novos em relação a 2008

logo o estado a que chegámos é irreformável

essa é a questão...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?