Momento de poesia




E este é o mundo que nos pertence…

Ao Jorge, o meu amigo/irmão


Mãos cheias de nada
e de vento
uma lágrima de sangue de uma criança
brilhando ao sol
ossos da fome pendurados na esquina
da esperança
olhares aflitos a sufocar os gritos
contra os muros da indiferença
mãos que falam e se agitam
e todo o mundo separado
pela fronteira da cegueira
E este é o mundo que nos pertence
e que nos deixaram
e que se perdeu na esfera do tempo
sem qualquer mudança!...

Alexandre de Castro

Lisboa, Abril de 2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Associação Ateísta Portuguesa (AAP) - RTP-1