O anúncio da quebra do pote...

Desde a  insidiosa e perversa ‘argolada’ da TSU, em Setembro passado, tem sido múltiplos os sintomas de desagregação da coligação ‘construída’ para dirigir o País.

Os dois partidos (CDS e PSD) embora partilhem uma matriz liberal que representa a convergência ideológica comum, divergem em modelos (gradientes) de concepção económica e social (dentro do mesmo espectro) e estas nuances liberais, que vão da doutrina social cristã ao fundamentalismo de adoração e submissão aos mercados, originam, como se tornou visível, atitudes tacticistas imediatistas diferenciadas.

Depois da crise da TSU, a arquitectura do OE 2013 com a brutalidade da carga fiscal que lhe foi apensa voltou a criar algum ‘frisson’ entre os dois partidos que integram a coligação. Mais recentemente a insistência por parte do Governo numa política cumulativa de sucessivas austeridades com o consequente disparar de uma ‘espiral recessiva’ voltou a animar o ‘inner circle’ das divergências (partidárias). 

Recados e percalços indirectos como a ausência de Paulo Portas em Belém, na cerimónia de posse de 2 ministros, remoques encomendados ao ‘ventríloquoPires de Lima, tornam (demasiado) audível o catatónico pulsar da actual coligação.

A recente posição do CDS em relação à candidatura autárquica do PSD à Câmara do Porto link, embora formalmente possa ser inserida num âmbito diferenciado do acordo de incidência governamental, não deixa de ser um importante indício de que a convergência demo-liberal para Governar o País está agonizante.
A crise tem provocado muitos estragos em todo o País e, naturalmente, ameaça 'quebrar o pote' que tão diligentemente foi 'capturado' em Junho de 2011.

Comentários

Sara disse…
Espero que em algum momento escrever coisas como você está, é porque eu adoro escrever, mas eu não sou muito bom nisso, talvez algum dia, quando eu sair para comer em restaurantes relaxar Moema

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

Notas sobre a crise venezuelana…