Piedosa moral

A esquizofrenia da moralidade, de sabor medieval, não é exclusiva do Islão. Nos países democráticos parecia solucionado, há muito, o conflito entre a alegada vontade de Deus e o primado das liberdades individuais, com a vitória das últimas. Em Portugal vão longe os tempos em que Camilo foi parar à enxovia por crime de adultério.

A Coreia do Sul, apesar da tradição democrática, resolveu espreitar para as alcovas e, a partir de 1953, criminalizar a traição conjugal, numa lamentável confusão entre o que é o mal, segundo a ética, e o que é crime de acordo com o código penal.

O adultério não é um bem nem uma atitude recomendável mas daí até ser um crime vai a distância que separa a mentalidade do clérigo de província da do legislador urbano.

A mulher é sempre a maior vítima da devassa da vida privada pelos vigilantes da moral. Quem espreita pelo buraco da fechadura acaba por mandar a polícia dos costumes a cheirar o hálito para vigiar o consumo de álcool ou da abominável carne de porco.

Os oito meses de prisão de uma cidadã, com pena suspensa, mostram que o Estado está pronto a vigiá-la e a tornar efectiva a prisão em caso de reincidência, isto é, a polícia vai estar atenta à enxerga onde se deita, com a privacidade devassada pelos tentáculos totalitários do Estado.

Mesmo em democracia, há sempre um Salazar oculto que zela pelos bons costumes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?