O sapato e o arbusto

Uma imagem que fica para a História.
O insulto supremo para a cultura árabe e islâmica dirigido frontalmente ao Sr. Bush, ainda Presidente (à segunda vez eleito) dos EUA.
Sendo contrário à violência e à falta de educação, o Ponte Europa não é, naturalmente, solidário com este gesto.
Mas devemos reconhecer que este momento representa um grito de raiva contra a humilhação e o sofrimento que aquele homem, o Sr. Bush - sem preparação, sem conhecimentos, sem ética e sem princípios, pérfido! - impôs ao povo iraquiano e ao Médio-oriente durante os últimos anos.

Comentários

e-pá! disse…
Caro André:

Os sapatos voadores de Zaidi, no meu entender, não são uma violência, nem uma falta de educação.
Não podemos julgar as outras culturas pela nossa bitola.
Atirar os sapatos é, no Mundo árabe, insultar.
Aliás, nem é preciso atirá-los, basta mostrar a sola...

Para julgar Al-Zaidi será preciso, previamente, interrogar-nos o que foi fazer Bush ao Iraque rodeada da sua guarda pretoriana.
Bush tinha de saber que estva num País ocupado, com o aval de um Governo fantoche local que o ladeava e compunha o ramalhete para mostrar ao Mundo.

Portanto, o sapato de Al-Zaidi foi, antes de tudo, um gesto simbólico de repulsa à invasão e ocupação do Iraque.
Foi também um gesto de despedida a um homem que comprometeu o Mundo numa aventura bélica inconsequente e sangrenta.

Ontem o universitário libanês Asad Abu Khalil, professor na Stanislaus University na California, no seu blog Angry Arab, escreveu:
"The flying shoe speaks more for Arab public opinion than all the despots/puppets Bush meets during his travels in the Middle East."
link

Portanto, os sapatos de Al-Zaidi "falaram"...

O Ponteeuropa pode ser solidário com este gesto que não lhe caí a honra na lama.
O incidente, nas circunstâncias onde decorreu, não deve ser considerado uma violência nem uma falta de educação.
Claro que se tratou de uma reacção simbólica, emocional, de um gesto que vale por mil palavras.
Espero que, na sequência deste incidente, Al-Zaidi, continue a ter papel e caneta para continuar a ser um jornalista.
telegram disse…
Se não fosse Bush, o jornalista nunca teria liberdade para atirar o sapato a Bush.
andrepereira disse…
O Ponte Europa é solidário com a repulsa contra a política pérfida e criminosa do Sr. Bush e dos "neo-cons" no médio-oriente, no Iraque, na Palestina e em todo o mundo.
Devemos por todos os meios democráticos lutar contra não só estes homens e mulheres, mas também e sobretudo contra as suas ideias reaccionárias e maléficas!
Mano 69 disse…
André Pereira, André Pereira!!!

Com esta já é a segunda vez que o e-pá! te acerta o passo (salvo seja).
andrepereira disse…
é essa a riqueza do Ponte Europa! São os estimados comentadores que (respeitosamente) tanto contribuem para enriquecer a discussão!
Certamente não será a última vez que alguém tem mais razão ou melhores argumentos que eu. Mas isso não é necessariamente o que se passa neste caso. Se o jornalista apenas quisesse "falar", teria apenas levantado o sapato, sem tentar atingir a integridade física do Sr. Arbusto, digo, Bush.
Claro que até poderemos pensar: que pena que falhou o alvo... mas isso não é democrático, nem é legítimo!

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?