Momento zen de segunda_05_04_2010

João César das Neves (JCN) é um sacristão de serviço, Cireneu sempre disponível para carregar a cruz da sua Igreja.

Incapaz de parar o furacão levantado pelo bater de asas da borboleta mediática, JCN minimiza a dimensão do escândalo, ignora a perversidade dos actos de pedofilia e cala a cumplicidade dos Papas que preferiram o silêncio e a ameaça a quem denunciasse os crimes à denúncia que impedisse a dimensão da libertinagem.

JCN está desolado porque sabe que um povo que duvida da virtude dos padres descrê da omnipotência do seu deus; porque sente que os pecados pios afastam o rebanho do redil da sua Igreja; porque sente que as hormonas do clero criaram um mar de lama que suja as sotainas, mancha as mitras e a tiara.

O bem-aventurado esquece os pecados dos bispos e papas sem se dar conta que o mais grave não são os actos que os tribunais julgam mas o sofrimento das crianças e o crime de ocultação que os prelados cometeram e que, segundo a BBC, atinge os três últimos papas.

Desnorteado, acusa a comunicação social:

1 – «Parecendo combater a pedofilia, visa-se a promoção do aborto, eutanásia, divórcio, promiscuidade», obsessões que traz à colação em cada homilia;

2 – «A prática é tradicional. Assim se criou há séculos o mito da Igreja sanguinária nas cruzadas e Inquisição», como se tivessem sido inventadas para a denegrir;

3 – «Os processos [da Inquisição] foram rigorosos e transparentes, as condenações uma ínfima minoria dos casos julgados e pouquíssimas face às execuções civis…», como se a literatura sobre o assunto fizesse parte da conspiração judaica e do ódio jacobino»;

4 – Esqueceu-se de falar da evangelização e dos pogroms mas a um santo não se pode exigir tanto;

5 – A penúltima frase é lapidar: «Como Nero, os jornais hoje querem convencer-nos que os padres comem criancinhas».

Só de um bem-aventurado, com odor a santidade, podia ter saído o verbo «comer» para exonerar a responsabilidade dos funcionários do seu deus.

Amém.

Comentários

andrepereira disse…
Em linguagem de café, está claro que eles andaram a "comer criancinhas". É despudorado JCN usar esses termos num jornal sério. Foi-se o segredo, perdeu-se a vergonha...
avoema disse…
Bom post e muito bem analisado este "cronista" JCN. Para mim, os burros só deviam urrar e não saber escrever. Incomodam a sensatez e os valores morais daqueles para quem este tipo de abusos é um crime horrendo
avoema disse…
Errata ao coment. anterior: queria dizer "zurrar". Mas urrar tb não fica mal ao rapaz
Manel disse…
Por favor não ofendam o nobre animal orelhudo, tão bem dotado pela Mãe Natureza!

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?