A bruxaria – há 530 anos (efeméride)


Vale a pena ler o excelente livro de Carl Sagan, «O Mundo Infestado pelos Demónios», e penetrar nas superstições que ainda alimentam o negócio dos exorcismos cujo alvará era conferido com o sacramento da Ordem a todos os padres católicos e, agora, é apenas concedido, a alguns, pelo bispo da diocese respetiva.

Os avanços médicos, em especial da psiquiatria, a melhoria das condições alimentares e a secularização da sociedade reduziram o número de demónios e erradicaram as bruxas, mas ainda há demónios bastantes para nutrir o imaginário mórbido de alguns devotos.

Em 1484, em 5 de dezembro, o Papa Inocêncio VIII emitiu uma bula papal a condenar a bruxaria que, como qualquer crente sabia, era exclusivo feminino de pacto com o Diabo. Mais tarde enviou inquisidores à Alemanha para julgar bruxas e iniciar a perseguição de Giovanni Pico della Mirandola, expoente do platonismo renascentista, condenado por heresia e excomungado, valendo-lhe a França, onde se refugiara, a fuga ao churrasco.

Morreria pouco depois, aos 31 anos, de morte natural, o erudito cuja filosofia influiu em Leonardo da Vinci e Michelangelo,  tendo-os elevado de meros artesãos medievais, que podiam ter sido, ao ideal renascentista de artistas que os transformou em génios.

Hoje os cruzamentos de caminhos rurais, então locais de estacionamento de vassouras, meio de transporte das bruxas, estão abandonados ou destinados a nichos em honra de santos de pouca virtude ou à repetida imagem da Sr.ª de Fátima com os três pastorinhos que aguardam pedidos de milagres para progredirem na carreira da santidade.

Comentários

Manuel Galvão disse…
O que é certo é haver uma notável semelhança entre uma bruxa voando numa vassora e um avião de propulsão a jato voando...

Eu não acredito em bruxas, mas que as há, há!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido