O último Conselho Europeu e o espectro grego...

Desconheço qual será a narrativa que Passos Coelho apresentará aos portugueses ao regressar desta última reunião do Conselho Europeu do dia 18 de Dezembro. 

Mas, a verdade dos acontecimentos, isto é, o que a Srª. Merkel ‘autorizou’, não é mais do que o 'borregar' do Fundo de Investimentos Estratégicos
Uma bandeira de Claude Juncker,  actual presidente da Comissão Europeia que segundo a propaganda ‘populista’, para inglês ver (e apresentar ao Parlamento Europeu), e nas contas eleitoralistas, ‘valeriam’ cerca de 315.000 M€ link
Mais um engodo eleitoral que morre à nascença. Nada que possa aliviar as restritivas regras de austeridade que estão a condicionar o crescimento europeu (à beira de uma nova recessão), ou que flexibilizem as ‘regras fiscais’ (de ‘ouro’) que comandam as políticas orçamentais, obterá o acordo do actual Governo da Alemanha. 

Duas das três premissas que o presidente do Conselho Europeu Donald Tusk colou ao ‘Plano Juncker’ dizem respeito á ‘intensificação das reformas estruturais’ (sabemos o que ‘isso’ significa) e a outra versa sobre a ‘solidez das finanças públicas’ (cuja via de sentido único é o Tratado Orçamental). 
Uma Europa condenada a ser ‘assimétrica’ não tem futuro porque não se manterá coesa. 

O primeiro-ministro de Itália bem lutou para que esses investimentos fossem subtraídos aos cálculos do deficit orçamental dos países que fossem beneficiários. Não terá sido aceite esta proposta e desconhecemos quem a apoiou. Todavia, pelos relatos da reunião, é fácil de adivinhar quem a terá obstaculizado link. Mais uma vez levanta-se a querela entre entre a austeridade, as reformas ('estruturais') e o investimento para conseguir equilíbrios precários à custa da destruição da coesão do espaço europeu (neste momento residual), não havendo pejo em adiar 'ad eternum' os problemas -  esses verdadeiramente estruturais -  dos países do Sul. 
 Merkel não quer ouvir falar de ajustamentos ao nível orçamental por recear (quando se aborda o investimento público) o aumento da dívida que, na realidade, não para de crescer. link
E o impasse actual prevalecerá até que se aprofunde a 'crise' e, então, sejam impostas outras medidas a reboque de cataclismos eminentes.

Resumindo: 
A UE continuará a viver penosos dias de incerteza e sem perspectivas de investimento que a façam acreditar no futuro. 
O desenvolvimento do espaço europeu não passa de uma miragem para engalanar a retórica política. O ritmo de crescimento permanecerá numa parte da Europa (Norte e Centro) numa cadência ténue enquanto o Sul periférico está destinado a empobrecer de modo 'irremediável'.
Todavia, e apesar deste terrível espectro, nenhum português ficaria admirado se, mais tarde, soubéssemos que Passos Coelho - governando um País com dificuldades de acesso ao crédito e com o investimento em queda prolongada – tenha, nesta reunião, alinhado com o Governo de Berlim e com o Bundesbank. 

Continuaremos assim até que uma eventual saída da Grécia da Zona Euro, por decisões políticas, nos venha acordar… e interromper o pesadelo que nos envolve.
Tudo começou na Grécia e muito poderá mudar a partir da Grécia.

Comentários

Carlos disse…
Ja se veem ios resultados do brilhante magistério do comissario Moedas. Com o seu beneplácito cerca de 20% dos fundos do programa comunitario de investigação e inovação Horizon 2020 foram transferidos para o pacote Juncker / Katainen.
Isto significa apenas que as declaraçoes de intençao de apoio ao investmento e à inovaçao nao passar de poeira para os olhos dos crentes e ingenuos.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido