Vale mais ser primeira-dama 1 só dia do que doméstica toda a vida

Não sei se é uma reminiscência monárquica, um anacronismo criado pela comunicação social ou um ato de oportunismo mediático que a incúria dos cidadãos e a comodidade dos presidentes perpetuaram.

No nosso ordenamento jurídico, que prevê vários tipos de família e onde a emancipação da mulher é um direito inalienável, a existência da primeira-dama serve para perpetuar um paradigma perverso, a dependência da mulher, e não, como aparenta, uma distinção. É a forma ínvia de habituar os portugueses a excluir as mulheres da função presidencial.

É pena não ter havido ainda uma mulher na Presidência da República, o único órgão que resistiu ao acesso feminino, o que nos dois últimos mandatos teria sido uma bênção. Por discriminação de género têm sobrado primeiras-damas, título que carece de legalidade, com direito informal a secretária e a gabinete, para funções que o erário público suporta.

Não se sabe, quando for eleita a primeira PR, se terá direito a levar o companheiro como mordomo, adereço doméstico para lhe dependurar os vestidos ou engomar as camisas de noite. Se hoje não está previsto o título de primeira-dama, por não ser eleita e ser mera cidadã, não se vê, no futuro, como tratar o/a companheiro/a da primeira PR.

Não parece saudável para a ética republicana que um órgão unipessoal se transforme em conjugal. A tradição não justifica o que quer que seja, da escravatura à pena de morte ou da rainha à primeira-dama. Só as boas tradições merecem ser preservadas.

Comentários

Outeiro disse…
Em Portugal, primeira dama não é saudável, nem desejável.
Só "parece haver" primeira dita pela saloice da mulher do cujo presidente, pela falta de chá (mete-se à frente de todos, interrompe tudo, vê com as mãos, como os galegos, fala a despropósito, etc.)e é possibilitada pelo estado algo deficitário da múmia paralítica.

Nota - mas sempre vai traduzindo os conselhos da senhora quando tem aparições.

Abençoada país este de brandos costumes.

Com sua licença: da.sssse
Manuel Galvão disse…
Princesa-com-sorte, resquícios da monarquia!

Nos EUA também é assim, ele, ela, os meninos e o cão! A família modelo de fertilidade e de felicidade!
e-pá! disse…
Quando para a presidência da República Portuguesa for eleita uma mulher o seu cônjuge (se o tiver) deverá - no meu entender - ser designado por 'valete'.
Se acaso viver em comunhão de facto deverá então ser o seu acompanhante ser designado por 'valido', à moda de Falstaff herói picaresco de algumas das peças literárias de Shakespeare...

Ambas as designações entroncam-se na mais pura tradição aristocrática (a legitima e a bastarda) que actualmente parasita a identidade republicana.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975