A violência doméstica e os animais selvagens


Este crime silencioso não é exclusivo dos homens mas pertence-lhes o maior quinhão. É a velha prática que a sociedade, a Igreja, a família e as próprias vítimas consentiram, um hábito a que não faltava o pérfido adágio: «entre marido e mulher não metas a colher».

Quantas feridas, no corpo e na alma, quanta vergonha escondida com desculpas pueris, quanta violência reproduzida através dos filhos de cujos gritos e espetáculo se tornaram reprodutores!

A morte às mãos de um facínora que não controla o ciúme, que esquece o amor que um dia o arrebatou e o respeito constante que devia, é o retrato de uma sociedade medieval que recusa a modernidade sem longos estágios no cárcere.

A quantidade de mulheres agredidas, física e moralmente, humilhadas e assassinadas, é uma tragédia recorrente, perante a indiferença de quem esquece a mãe, irmãs e filhas, de quem não sublima instintos primários e faz da violência a catarse das suas frustrações.

A quotidiana divulgação da brutalidade a que as mulheres estão sujeitas é a nódoa que não se apaga, a vergonha que nos acompanha, a iniquidade cuja incúria nos remete para um passado medieval e para épocas históricas que a civilização devia ter erradicado.

Como é possível condenar metade da humanidade a um sofrimento acrescido, à exaltada manifestação da selvajaria masculina, reproduzindo os valores anacrónicos herdados da época em que a força física era condição de sobrevivência?

Maldita herança, malditos herdeiros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido