Lei eleitoral autárquica

A revisão da lei eleitoral autárquica no que concerne à dispensa de funções profissionais dos candidatos, dos actuais 30 dias para 12, era uma medida urgente e de higiene cívica que há muito se impunha.

Continua a não fazer sentido que gozem dessa regalia os elementos que excedam os anteriores eleitos por cada partido com o acréscimo de um, no máximo dois. Foi, no entanto, um bom princípio.

As eleições são um acto que exige dos cidadãos, por obrigação cívica, sacrifícios. Não podem tornar-se num expediente para benefício pessoal nem numa forma ínvia de prejudicar os serviços públicos e as empresas.

Estou ansioso por conhecer as razões da abstenção do PSD e do CDS.

Há anos houve os que se prestaram à desonestidade de integrar nas listas pilotos da Força Aérea para lhes permitir a passagem à reserva e a transferência para companhias de aviação civil, com graves prejuízos para o Estado.

Nem todos os partidos são entidades respeitáveis.

Comentários

Anónimo disse…
Enjoyed a lot! » » »

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita