Cavaco Silva e as presidenciais

Palácio de Belém
Cavaco Silva é um cidadão respeitável, merecedor da consideração dos portugueses. Exceptuando Guterres, foi o melhor primeiro-ministro de Portugal.

É um homem íntegro, académico ilustre e um patriota. Não merece que o desrespeitem, ponham em dúvida a dedicação ao serviço público ou a capacidade para ser presidente da República.

Se viesse a ser eleito não seria nenhuma tragédia nem a democracia correria perigo. Não é homem para jurar a Constituição com intenção de traí-la.

Portugal tem o privilégio de dispor dele para a pugna eleitoral. Cavaco tem qualidades, perfil e percurso para o exercício do cargo de Presidente da República.

A eventual eleição traria, aliás, alguns benefícios de que só ele seria capaz:

- O eclipse político de Paulo Portas;
- O remoção de Santana Lopes e da sua corte para fora da área do poder;
- A progressiva extinção do CDS;
- O fim das veleidades de alguns barões do PSD, Jardim incluído;
- A exigência de um PSD melhor frequentado.

Todavia, não por culpa sua, podia tornar-se um agente perturbador do regime. A par de respeitáveis cidadãos, atrelar-se-ão à candidatura numerosos ressentidos com a derrota das legislativas, ansiosos por uma desforra.

Já há meses, no Diário de Notícias, Vasco Graça Moura, o mais indefectível almocreve do cavaquismo, escrevia que era necessário eleger Cavaco para correr com Sócrates que tinha, nessa altura, escassas semanas de Governo. É essa instabilidade que a economia e o País tem de evitar. É esse risco que os eleitores têm de ponderar.

Cavaco dificilmente renunciaria a impor a liderança do economista António Borges ao PSD, por quem quis substituir Durão Barroso, apesar da sua notória falta de preparação política.

Quanto à mais valia que se aponta à formação académica de Cavaco é pura falácia. Não se procura um futuro ministro da área económica para um Governo do PSD. Estão em causa eleições presidenciais.

Mário Soares (formado em direito, história e filosofia) provou com o seu desempenho exemplar que é de um político que o País precisa para o palácio de Belém.

Comentários

desanimado disse…
Cavaco utilizou os dinheiros de Bruxelas, quando eram aos milhões, não para desenvolver o país, mas para aguentar e alargar a clientela. Quanto subsídio a fundo perdido foi parar aos BMWs, aos Mercedes, às casas, aos luxos, enfim a uma série de empurrões que criaram uma corte de novos-ricos que hoje está entranhada em todo o lado e que vem às TVs recomendar contenção ... mas sempre para os outros ! Portanto, quero deixar muito claro que não Cavaco não foi o melhor 1º ministro (depois de Guterres) ! Há ainda o esquecimento ... o esquecimento do autoritarismo e da difícil relação com a Cultura. Cavaco só passou a sorrir depois de recear não continuar no poder. Batido por Sampaio, regressa agora por alma de quem ? Gosta pouco de poder, gosta ! Além do mais, não há pachorra para tabus geridos meticulosamente para chegar ao que ele verdadeiramente quer : ser Presidente ! Não por uma causa, um sentido cívico, um dever. Não. Sente-se que o senhor quer oferecer o lugar de primeira-dama a Maria !
Mano 69 disse…
zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
Anónimo disse…
Triste país que tem gente desta estirpe. Ó camarada porque por que é que não emigra para África. Lá é que você estava bem. Ao pé dos pretos, por que você de "branco" tem muito pouco.
Este artigo foi hoje publicado no «Diário as Beiras»

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita