A brandura dos nossos costumes...

...ou o primarismo das nossas gentes.

Comentários

Mano 69 disse…
A culpa é do priapismo e não do primarismo é o que é!
O Deus Príapo, que costuma abandonar os ungidos a partir de certa idade, não é certamente o responsável, mano 69.

Há factores culturais difíceis de modificar.
To Soares disse…
Ou será tambem muitas vezes desespero de o dinheiro não chegar ao fim do mês?
De este governo estar a tornar a vida dos cidadaos num inferno?
Não existem desculpas para a violência doméstica mas os governantes socialistas lavam as maos subtilmente...
" A violencia registou uma estagnação, aumentando só a violência doméstica..."como se não fosse muitas vezes as, cada vez piores soluções, que este governo impoe aos casais portugueses provocando um autentico declinio nos seios familiares.
Empregos precários, aumento da idade da reforma, aumento dos impostos, encerramento de bens primários, aumento de taxas de juro á habitação etc etc as pessoas por vezes devem chegar á beira da loucura......
jagudi disse…
to soares:
Não vale confundir o género humano com o manel germano! (Mário de Carvalho, o seu a seu dono)
A violência doméstica não conhece estratos, não destrinça classes, não discrimina contas bancárias.
Limita-se a existir fundada em falsos conceitos. Alimenta-se do primarismo cultural, do egocentrismo machista, e da tradição, sobretudo religiosa, que a incentiva e desresponsabiliza. Mesmo se qualquer diácono afirma o contrário.
Por outro lado, os apertos do orçamento e a precaridade da vida pesam mais nos ombros das mulheres do que nos dos homens, mesmo se vividos em comum.
E seria fácil resolvê-la, se o humor do mano 69 tivesse razão. Era só torcer ao dito o frágil pescocito e acabava-se a maka.
Ressalvam-se aqui os casos de violência doméstica feminina, que existem e são outro fenómeno.
Anónimo disse…
ahhhhhhhhhh boa boa

pra não falar nequelas empresas municipais como tem vindo nos jornais ah grande democracia.
Anónimo disse…
sr esperança,

não seja primário e sensacionalista.

Já pensou que o numero de casos reportados é que aumentou e não o numero de casos efectivos de violencia doméstica?
Vejo isto como um sinal de avanço e não de retrocesso.

chicomartins
ahp disse…
Pela primeira vez, acho que chicomartins, tirando a abertura insultuosa, tem razão. Parece-me que antigamente a violência doméstica era muito mais grave do que hoje, só que as vítimas não ousavam sequer queixar-se, pois se o fizessem ainda apanhavam mais.Dantes, designadamente no tempo do Salazar e do Cerejeira, era normal o "chefe de família", como então se dizia, bater na mulher; o Estado não considerava isso crime, e a Santa Madre Igreja achava muito bem a aplicação desses "correctivos"!
ana disse…
e podia até matar-se a mulher, se com isso se lavasse a honra.

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro