Paquistão – O Islão político e a liberdade


Que as boas almas de Islamabad queiram fugir da prostituição é um direito, quiçá uma obrigação, que faz as delícias de Alá e o regozijo dos mullahs.

A origem da prostituição confunde-se com a história da própria humanidade e não deixa de ser humilhante, mas há infâmias maiores e crimes mais hediondos, a começar pelo rapto de pessoas e o exercício de cárcere privado.

O constrangimento social e o estímulo do clero levou as tresloucadas alunas de uma madrassa, em puro zelo beato, à prática de vários crimes: invasão de domicílio alheio, coacção e rapto da dona de um bordel e de duas familiares, apoiadas no Corão e no estímulo dos próceres islâmicos.

A prisão das devotas agressoras provocou manifestações de colegas, encorajadas pelo director da escola corânica, enquanto os vizinhos, com mais receio dos talibãs que de Maomé, ficaram «felizes e cantaram em glória de Alá».

O regresso do fundamentalismo, como sempre, não se limita a condicionar a vida dos crentes mas a exigir, a todos, os comportamentos que julgam inspirados por Deus.

No Paquistão os talibãs estão na origem de incêndios em clubes de vídeo e na proibição de música e televisão. Os barbeiros já foram proibidos de cortar barbas e as mulheres obrigadas a usar burka, sob ameaça de morte.

Nos países democráticos o fanatismo religioso procura fazer regredir a sociedade. O criacionismo é a arma com que, dos EUA à Europa, os prosélitos procuram opor-se ao progresso e à investigação científica.

Há muito dinheiro investido na estratégia beata. A distribuição de um Atlas criacionista é a última prova. É preciso estar atento e defender a civilização.

Comentários

Anónimo disse…
O ISLÃO...

Que fazer perante tantas atrocidades?... Este homem não pode ter sido o criado por DEUS TODO PODEROSO. O que é que será preciso fazer para tornar esta selvajaria de mundo num local de razoável bom convívio. O inferno é aqui...parece-me.

ZÉZÉ
Carlos Esperança disse…
ZÉZÉ:

Tem aí a prova de que Deus não é TODO PODEROSO ou, pelo menos, não é «infinitamente misericordioso».
Anónimo disse…
Ao CARLOS ESPERANÇA.

Inteiramente de acordo.

ZÉZÉ
Anónimo disse…
Antes Irão que este país em que vivemos!
Anónimo said...
Antes Irão que este país em que vivemos!
Sáb Mar 31, 07:49:00 PM

RE: Emigre, leitor. Quem preza assim a liberdade não deve estranhar.
Anónimo disse…
Deus é que nos criou; tanto assim é que,na sua divina previdência, até se lembrou de nos dotar de nariz e orelhas para podermos assentar os óculos quando começamos a ver mal!

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita