Vitória da liberdade de expressão


O director do jornal satírico francês Charlie Hebdo foi ontem absolvido por um tribunal parisiense da acusação de injúrias de cariz religioso.

O referido semanário publicou em Fevereiro de 2006 três cartoons sobre Maomé, que a comunidade muçulmana considerou ultrajantes e injuriosos.

O tribunal considerou que as imagens, ente as quais a que se vê neste post, não contêm matéria de injúria. A liberdade de expressão foi mais importante do que as idiossincrasias dos crentes.

Pessoalmente, entendo que o juiz devia ter indeferido a queixa no despacho saneador por os crentes não serem parte interessada. Não consta que Maomé se tivesse sentido ofendido. Pelo menos não apresentou queixa.

Comentários

Anónimo disse…
Viva a França "laica e jacobina"!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido