Alemanha – O Corão e uma juíza idiotas

Uma alemã, de origem marroquina, teve a desdita de numerosas mulheres ao longo da história, casar com um homem violento que a agredia e ameaçava de morte.

Com 26 anos, mãe de dois filhos, a vítima pediu ao tribunal de família de Frankfurt para que lhe concedesse um divórcio rápido. A pancada e as ameaças não são violências que se suportem num país civilizado. E a jovem mãe, casada em 2001, há mais de um ano que era vítima de espancamentos e ameaças.

Imagine-se que lhe saiu uma juíza, Christa Datz-Winter, que entendeu não ser urgente o seu caso pois ela tinha casado «segundo as leis islâmicas» e que, segundo o Corão, ela devia saber que «Não é invulgar que o homem exerça o direito de castigar a mulher».

A título excepcional, essa juíza devia ser obrigada a viver um ano com um muçulmano violento e piedoso, despojada das vestes forenses, vergastada na rua e, a seguir, repudiada pelo homem.

Talvez aprendesse que, acima dos preconceitos religiosos, estão os direitos humanos, mais importante do que um livro sagrado é a igualdade de direitos entre os sexos.

A integração da sharia na jurisprudência dos países democráticos é o caminho mais rápido para a introdução do direito canónico e o regresso aos estados totalitários de raiz confessional.

Apostila: Recordo o saudoso Francisco Salgado Zenha, de quem fui delegado na Lourinhã, em 1965, na farsa eleitoral promovida por Salazar. Foi ele, quando ministro da Justiça, que reintroduziu o direito ao divórcio que a Concordata abolira. Tal como no Islão, vigoravam as piedosas leis cristãs de Salazar e Cerejeira.

Comentários

Pedro Fontela disse…
Penso que li em algum lado que a juiza foi afastada do caso e provavelmente vai apanhar uma punição disciplinar.
jrd disse…
Além de idiota,Frau Datz-Winter deve ser masoquista, pelo que o castigo sugerido seria uma benção de Alah.
Pedro Fontela:

Também em Portugal (JRD lembra-se bem) tínhamos juízes pusilânimes que condenavam pessoas pela forma como pensavam ou simplesmente porque pensavam.

Eram os juízes dos tribunais Plenários, que obedeciam à PIDE tal como essa desnaturada respeita Maomé.

No dia em que a Europa se deixe dominar pelo clero (de qualquer religião) a democracia será uma recordação pintada a negro pelos saprófitas das sacristias.
Anónimo disse…
Os árabes são muito complicados,
fundamentalistas, na sua terra e na dos outros... em Inglaterra querem impôr o véu à força, na Alemanha, espancam as mulheres, como é seu hábito...e ainda há quem queira a Turquia na comunidade.
Anónimo anti-Turquia:

1 - A Turquia não é árabe:

2 - Os árabes não são todos crentes;

3 - Os crentes não são todos criminosos;

4 - A Turquia defende a Europa e não será aconselhável lançá-la nas mãos dos fundamentalistas;

5 - O problema está na laicidade que deve ser imposta às religiões como se fez na Europa após a Revolução Francesa.

Infelizmente a igualdade entre homens e mulheres conseguiu-se à custa de muito sangue e de não poucas execuções.
Anónimo disse…
Não sei se a juíza está maluca, ou se, pelo contrário, sabe muito bem o que está a fazer.
É que existe em todo o ser humano uma dose de hipocrisia e oportunismo não despiciendos. Afinal as opções de vida devem ser básicas. Não se pode ser muçulmano ou cristão ou ateu quando nos interessa e repudiar essas lógicas quando isso nos afecta. Penso ser essa a mensagem que a juíza quis dar.
Se a mulher, vivendo num país livre como a Alemanha, optou por repeitar a religião islâmica, viver sob as suas prescrições, casar segundo a sua tradição, vestir-se em consonãncia, etc., então também tem que assumir todos os ónus que "também" são "tradicionais" dessas culturas, como seja os desrespeito e a subserviência da mulher. Isto é coerência lógica no seu estado mais puro, digam os detractores o que disserem.
Mas como os arrependidos merecem o céu, há sempre quem os desresponsabilize e não pense nas consequências.
Como é evidente neste caso, a interpenetração de culturas e a sua vivência comum são impossíveis devido a incompatibilidades básicas insanáveis. A senhora tem que abandonar as prescrições da religião que professa para ter acesso aos direitos do estado laico.
A juíza tem razão.
jrd disse…
Talvez fosse interessante sublinhar o seguinte:
1) Mais de 30% dos Marroquinos não são Árabes, são Berberes. A maioria esmagadora dos muçulmanos é "não árabe" (Indonésios, Paquistaneses, Iranianos, Turcos, Nigerianos etc.).
2)A Alemanha é um estado laico e os tribunais Alemães não podem julgar de acordo com os ditames de uma religião, nem "impor" o respeito por práticas de índole religiosa, seja ela qual for
ahp disse…
A juíza só tinha de decidir se, perante a lei alemã, um homem pode ou não agredir a mulher; não tinha de ter em conta qual a religião dos cônjuges, uma vez que a Alemanha é um Estado laico.
Portanto decidiu manifestamente mal.

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro