No mundo dos «homens»...

Na sequência do veredicto de um tribunal tribal, esta mulher foi condenada a ser violada por quatro membros da tribo, por um alegado crime cometido… por um irmão.

MUKHTARAN BIBI, a vítima de tamanha crueldade pensou em beber ácido e suicidar-se, como é hábito na tribo. Preferiu sobreviver e criar escolas para crianças de ambos os sexos onde acolheu os filhos dos seus algozes. Esta heroína aprende agora, ela própria, a ler com a consciência de que só a cultura e a instrução libertam.

Esta história de um mundo perverso e cruel, em que a tradição e o desprezo pela mulher se cruzam, contada no «Público» de hoje (site disponível só para assinantes) deu origem a este poema de Lopes de Castro, escrito há pouco:



MUKHTARAN BIBI

A tua honra ficou intacta e branca
nessa noite escura onde ainda dorme o teu povo
à sombra de um Deus que os teus antepassados
quiseram perverso.
Nem a carne que te rasgaram
para da tua dor e do gesto alarve tirar prazer
quebrou a tua força de viver.
Mesmo sabendo que os rostos patibulares
dos que te violaram
iriam agitar-te o sonho nas noites incendiadas
e torturar-te a memória nos dias em que choraste,
atravessaste aquela linha segura
onde se conquista a dignidade.
Agora, já és livre,
e é a tua liberdade conquistada
a ácida condenação dos teus carrascos.

Alexandre de Castro - Lisboa, Março de 2007

Adenda: Notícia do «Público»

Comentários

matarbustos disse…
CE

sei que estou desfasado em relação ao tema do post mas o último espaço de leitores fica lá tão em baixo que escrevo aqui.
trata-se de uma notícia já com 14 dias e que por sorte descobri hoje:

"En una exposición de 45 minutos de todo lo que está ocurriendo en el país el presidente Evo Morales planteó por primera vez la desmilitarización de todos los países y la renuncia del Estado boliviano a la guerra. Este concepto a la guerra será planteado ante la Asamblea Constituyente del país para que en la nueva Carta Magna se pueda plantear la renuncia del Estado de Bolivia a la guerra", manifestó el vocero gubernamental, Alex Contreras.

se quiseres ler o resto, está no endereço:

http://www.abi.bo/index.php?i=noticias_texto&j=20070306121653
André Pereira disse…
O Ponte Europa solidariza-se com esta grande mulher. Com asua obra generosa. Com todos aqueles que acreditam no progresso, no esclarecimento da humanidade contra a barbárie, o poder bruto, a humilhação e a indignidade.
MUKHTARAN BIBI é uma heroína!
André Pereira:

Esse comentário podia ter sido um post.

Por que motivo o não publicou na página do blog?

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido