Lei da despenalização do aborto

Movimentos do "não" ao aborto desejam que o Presidente da República vete a lei aprovada pelo Parlamento.

Comentário: Pretendem ganhar na secretaria o que perderam nas urnas. Talvez as chamadas telefónicas de valor acrescentado dessem um resultado mais de acordo com os seus desejos.

Comentários

Anónimo disse…
Vitória na secretaria equivale a uma derrota, ou um aviso, a estes que nos impõem medidas que nem o LePen teria coragem de as aflorar. Este (des)governo que lixa o povo e dá benesses a boys e comissários...estou convencido que acabarão por ser corridos a pontapé.
Anónimo disse…
O Cavaco está a dar o mote; atenção ao cavaquinho isto ainda vai aquecer.
Chefe,para qdo a comentar a despezona do eng,dr,qq coisa Sócrates.Afinal,as always,a cacetada é só para os fracos pq para a clientela é um fartar vilanagem.......
Carlos Esperança disse…
O PR tinha até ontem, às 16.00 (quando o TC fecha), para pedir que os juízes do TC se pronunciassem sobre a lei que foi aprovada por mais de dois terços do plenário da Assembleia da República, com votos favoráveis da bancada do PS, PCP, Bloco de Esquerda, Verdes e de 21 deputados do PSD.
ana disse…
Têm mesmo mau perder, não desistem. grandes democratas, os rapazitos.querem obrigar os outros a fazer aquilo que os outros não os obrigam a eles a fazer.não se preocupem, só aborta quem quer. preocupem-se com o acompanhamento das mulheres que votam não e depois abortam, essas é que ficam em pecado mortal por serem hipócritas.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita