O fascismo nunca existiu. Nasceu agora

Cartaz nacionalista apela à expulsão de imigrantes

O racismo e a xenofobia num país de emigrantes.

Comentários

Carlos Esperança disse…
Governo, PS e oposição juntos no repúdio ao cartaz do PNR

O Governo e todas as bancadas parlamentares associaram-se hoje no repúdio ao cartaz do Partido Nacional Renovador (PNR) a dizer «Basta de imigração», rejeitando a mensagem de racismo e xenofobia que é transmitida.

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=269510

Ao menos, isso.
Anónimo disse…
É racismo e xenofobia, mas é também oportunismo, confusão do cu com as calças, e ignorância.
Tirem ao menos a barbicha ao boneco, e apresentem à gente um ariano puro.
Anónimo disse…
Há por aí muito imigrante indesejado, melhor seria que tivessem ficado na sua terra.
Esta situação é fruto, da livre circulação dos povos, na Europa e da fuga de sul para norte.

A este cantinho à beira mar plantado, vieram parar muitos desclassificados, bandidos e a reacção do povo é lógica...
comparar estes imigrantes, com os portugueses que vivem em França e noutros países, é atitude de má fé,
na generalidade os portugueses, são gente ordeira, disciplinada e muito trabalhadora...

Na realidade, um país donde os seus naturais são obrigados a saír porque não arranjam trabalho, não precisa de imigrantes...haja bom senso.

Claro, há quem se aproveite dos sentimentos do povo...daí o cartaz.
Anónimo disse…
é pá mas a descriminação na função pública tambem não é xenofobia, é que uns saiem com indemnização e reformas mais cedo outros não, una tem telemove´l e pópó outros não uns tem estavel sempre o empregozinho do estado outros podem ser excedentários ora isto é descriminação e um gajo acaba por se xatear...
Anónimo disse…
Anónimo anterior.

...ora bem.
matarbustos disse…
anónimo Qui Mar 29, 08:04:00 PM

também há por aqui muito português indesejado; melhor seria que emigrassem?

quantos desgraçados não fogem das guerras ao serviço da nato (portugal faz parte), quanto países na miséria e economicamente escravos do ocidente para que aqui se possa gozar da boa vida de um cantinho à beira-mar plantado?

os emigrantes não fogem só da política interna dos seus países de origem; fogem também da nossa política externa.
Anónimo disse…
Eu se tivesse 20 anos ia daqui para fora! isto com este governo é uma luta diária para sobreviver! Ricos cada vez mais ricos! pobres cada vez mais pobres e cada vez mais! Este boy está a tirar-nos tudo o que conquistámos com o 25 de Abril! e depois é lógico que apareça o cartaz, que o salazar ganhe aquela coisa...enfim.
Anónimo disse…
matarbustos

Os portugueses, estão na sua terra, não são indesejados...

Infelizmente, há muitos maltratados por esse mundo afora, da Espanha, à Irlanda, passando pela Holanda, etc.

Imigrantes, como os da história de V.N. de Gaia, não acrescentam nada ao nosso país, pelo contrário, infernizam a vida dos portugueses.

Solidariedade, com os outros povos, não é receber gente da pior espécie, no nosso país...

Aproveite a sua bondade, seja solidária, com os portugueses que temos, vá viver para o Ingote...vai lá ser muito feliz.
e-pá! disse…
Aqui nesta cicvilização ocidental movimentamo-nos, também, por simbolos que se entranharam ao longo de séculos na nossa cultura.
É por isso, que há poucos dias, a Inglaterra comemorou os 200 anos do fim da deplorável escravatura. Fomos pioneiros na abolição desse opróbrio.
Não devemos orgulhar-nos disso porque, em minha opinião, a própria existência da escravatura não dá direitos a "orgulhos".
De qualquer maneira deve ser humildemente reconhecido este pioneirismo.
Agora aparecem este melros do PNR a cobrirem o País de vergonha.
A xenofobia, o racismo, a homofobia e qualquer manifestação de discriminação, são formas contemporâneas de escravidão.
A esses "pássaros" do PNR deve ser dado combate político (como foi feito na AR), diria implacável combate político, mas o País deve - com todos os meios que a convivência democrática nos proprociona - mostrar-lhes a veemente repulsa pelas suas posições e expressar um profundo nojo por esta escabrosa maneira de fazer política.
Lamento reconhecer que se o acaso da vida (espero que nunca!) me colocasse na proximidade física de José Pinto Coelho (presidente do PNR), dificilmente resistiria a insultá-lo e a exprimir-lhe a maior indignação.
Lamento, mas com toda a probabilidade, seria assim.
Kafka escreveu:
"Desde que alberguemos uma única vez o mal, este não volta a dar-se ao trabalho de pedir que lhe concedamos a nossa confiança"

O outdoor é, também, do domínio do absurdo kafkiano... que se enraiza na incomunicabilidade do homem.
O PNR utiliza a infâmia dessa incomunicabilidade.
Já vivemos muitos anos sós e falsamente orgulhosos...
ahp disse…
De facto, há muitos portugueses que fazem cá muito menos falta que os imigrantes!
matarbustos disse…
o que eu aponto é o facilitismo com a generalização. não podemos esquecer que a imagem do português ordeiro, disciplinado e trabalhador é mais propaganda que outra coisa. na verdade, lá fora (não em todo lado certamente) somos vistos como culturalmente atrasados, rudes, carneirinhos de encolher de ombros que aceitam trabalhar em condições miseráveis por meia dúzia de tostões. e não esquecer que lá fora também estão portugueses que violam crianças, batem em mulheres e matam nativos dos países que os acolhem. em muitos países, o português é como o turco na alemanha ou o marroquino em espanha. e é claro que há cá muito português que não interessa a ninguém, ou o crime é monopólio dos estrangeiros?

o problema nestas questões é não analisarmos globalmente o problema; quando há crises económicas a culpa é sempre do emigrante, toda a história corrobora isto. dá muito jeito arranjar um bode expiatório quando não queremos aceitar que boa parte da miséria desses condenados a uma existência irrelevante é culpa do tipo de economia e sociedade em que vivemos. e que dizer da arrogância com que os velhos impérios europeus sacodem a culpa pelo estado em que estão esses países, ao mesmo tempo que os expoliam e corrompem os governates para que continue convenientemente tudo na mesma?

só mais uma coisa: o ingote é o que é muito antes de haver por lá emigrantes; eu desde puto conheço os bairros a norte de coimbra: brinca, loreto, pedrulha, eiras, etc; em todos eles havia rivalidades com bestas que se gababam de ser brutos e mal-educados, de andarem à pancada e cultivarem um certo orgulho em ser ignorante; agora o ingote, como tinha ciganos de má-rês, isso é que era mau, pois claro, de repente éramos todos portugueses e santos cristãos, não é?

que eu saiba, estamos no país onde há muita violência doméstica, onde a humilhação e o abuso de poder é prática comum das hierarquias, onde se mata à machadada por meio metro de terreno, etc. brandos costumes, estes! propaganda, é o que é...
Anónimo disse…
De facto eu também fiquei surpreendido quando vi imigrantes em Portugal.
Como sou emigrante sei que emigramos para melhorar a vida, e então se Portugal não faz sonhar muitos portugueses, faz sonhar os miseráveis, como ontem fizeram sonhar os nossos miseráveis pais alguns países, sobretudo os fundadores da CEE.
Até que, o concerto de choramingas da maioria dos portugueses é de uma lamentável inveja, cupidez, feita de relentos mafiosos e desumanos. E a culpa dos seus males vêem sempre do vizinho. No tempo do grande salazar, até entre aldeias guerreavam. E nem sabiam o nome dos vizinhos, porque os tratavam de todos os nomes, menos pelo apelido.
Quanto à hidra fascista, a sua subida é constada em toda a Europa. Como sempre, sobe a intolerância à medida que cresce a ignorância e o individualismo.
E então Portugal não podia escapar ao fenómeno, pois, a memoria sendo pouca, um desejo de fascismo está a ser sentido por muitos, pensando que ontem era melhor que hoje.
E quando alguns dizem que se está a perder as conquistas de Abril, seriam capazes de relembrar esses tempos de antes de Abril?
E não são esses que fazem os maiores estragos às conquistas de Abril?
Anónimo disse…
Alguém que diga a essa escumalha neo-nazi (alguns são criminosos já cadastrados), que, em Portugal, o crime violento não está relacionado com a imigração (eles até sabem, por experiência própria...).
O crime violento em Portugal é fenómeno... português.
Até portugueses fora de Portugal.
Maus-tratos infantis, abuso de menores, serial-killers...
Não era um famoso serial-keller português que tinha um retrato do Salazar na sala?
Anónimo disse…
Ó nacionalistas estai atentos, que as vossas mulheres tomam a pilula sem o vosso conhecimento.
to soares disse…
Matarbustos você é português? ou é um infiltrado?
ana disse…
"Na realidade, um país donde os seus naturais são obrigados a saír porque não arranjam trabalho, não precisa de imigrantes...haja bom senso.
Claro, há quem se aproveite dos sentimentos do povo...daí o cartaz.
Qui Mar 29, 08:04:00 PM "

Mas se os naturais quiserem fazer os mesmos trabalhos que fazem os imigrantes (e ganhar o mesmo), já não têm falta de emprego e não precisam por isso de emigrar. haja bom senso...
Anónimo disse…
Nestes temas, há sempre uns na defesa dos "fracos e oprimidos", a falta de racionalidade nos seus argumentos até dói...

Os portugueses que emigram, fazem-no por não haver empregos, em Portugal, todos sabem disso...poucos são os imigrantes, que conseguem, em Portugal, empregos dignos, sem serem explorados, muitos acabam vagueando pelas ruas das nossas cidades, criando insegurança, roubando, incomodando os portugueses.

Decerto já deram conta, da quantidade de gente que vagueia , em Lisboa, em Coimbra, arrumando carros e criando um ambiente de insegurança, à noite, na zona da Baixa...é demais.

É este tipo de imigrantes que
está a mais na nossa terra...miséria já temos qb.
ana disse…
o que os xenófobos querem não é que não haja imigrantes - o que querem é que eles não tenham quaisquer direitos.para ganhar menos do que os portugueses e fazer os piores trabalhos, tudo bem. trabalhar a 30 metros do chão, é para o imigrante. já manobrar a máquina, é para o português. na apanha da azeitona (numa determinada zona do alentejo)o agrário escolhia as oliveiras.como o pagamento era feito ao quilo, as oliveira mais baixas e mais carregadas eram para os portugueses. as mais despidas e de pior acesso eram para os imigrantes. lembro-me de a europa e os EU criticarem o regime totalitário da URSS. mas quando o regime acabou, foi com má vontade que abriram as portas a esses imigrantes, quando moralmente lhes deviam ajuda.e agora gostam de os ter nas obras, mas aceitá-los como médicos, engenheiros, etc. é que já não dá.tanto complexo, tanta inveja.
matarbustos disse…
tó soares:

por enquanto sou português, mas se me envergonharem ainda mais com estas atitudes xenófobas, mudo-me.
e você? tolera fascistas na vizinhança mas não quer cá emigrantes, ou está apenas chocado com o meu desapego à nação?
ter nacionalidade é um valor bem menor do que ter civilidade. se não se puder ter o segundo sem o primeiro, descarto a nacionalidade.
matarbustos disse…
no meu comentário anterior, onde está "emigrantes", leia-se "imigrantes"
Anónimo disse…
imigrantes parece que somos todos desde há anos.

basta ver como estamos a ser tratados pelo governo, do Povo, e para o Povo...
Anónimo disse…
matarbustos,

diria mais, se o senhor tivesse que optar ainda entre nacionalidade, civilidade e gadelha, descartaria os dois primeiros a bem da melena que ostenta na fotografia.
matarbustos disse…
caro anónimo:
o argumento da melena é completamente arrasador, com essa calou-me eternamente. argumento muito semelhante ao que ouvi dos salazaristas em santa comba naquele sábado em que por acaso tive que me cruzar com eles na rua.
da próxima vez que falar do «povo» por favor inclua os que usam melena e arranje maneira de respeitar os outros pelo que têm DENTRO da cabeça e não como ornamento.
matarbustos disse…
isto pressupondo que o anónimo das
Sex Mar 30, 07:30:00 PM
é o mesmo que o das
Sex Mar 30, 07:14:00 PM

cá o espero para mais um argumento arrasador de braço estendido
Anónimo disse…
por acaso não é o mesmo,
mas ate poderia ser.
Porque para mim nacionalidade e civilidade tão no mesmo patamar e é possivel coabitarem
quanto á melena, diz muito do que a pessoa tem dentro do cerebro. Neste caso da a entender alguem descerebrado.
Anónimo disse…
cerebro esse que no caso de existir deve estar tolhido por charros e gravitar à volta de djambés
Anónimo disse…
mais, não sou fascista nem simpatizo com essa ideologia.
Mas matabustos, preferia se-lo do que marxista e drogado
matarbustos disse…
parabéns ó anónimo pela nova definição de drogado: gajos com melena e que tocam djembés.

«para mim nacionalidade e civilidade tão no mesmo patamar e é possivel coabitarem»
porque não disse logo, antes de começar a atacar-me? sabe o que é debater ideias?

em lado nenhum poderá ler que sou marxista ou que me drogo, você demonstra apenas preconceito e absoluta falta de respeito. acredite que esse comportamento é muito idêntico a xenofobia e racismo.

«quanto á melena, diz muito do que a pessoa tem dentro do cerebro. Neste caso da a entender alguem descerebrado.» em vez de «melena» ponha «tom de pele», «barbicha», «clube de futebol», e veja lá se tenho ou não razão.

como vê, não é por discordar de si que o ofendo com banalidades infantis que nada têm a ver com a discussão. chama-se a isto lição de civismo. aproveite que é de borla.
matarbustos:

Aceite a minha solidariedade e permita que lhe agradeça a qualidade ética e intelectual dos seus comentários no Ponte Europa.
Anónimo disse…
matabustos têm a presunção de dar lições.
Não o vou julgar porque é provavel que esteja sob o efeito de estupefacientes. Amanhã falamos melhor.
Ainda assim digo-lhe, (para ler amanha) que cor de pele, clube de futebol, país, entre outros não se escolhe, pelo é infundado qualquer tipo de d~iscriminação com base nestes factores. Agora ''melena'' e ''consumo de charros'' é uma posição assumida de livre vontade pelo que me sinto moralmente livre de poder rir com o seu ridiculo.
ana disse…
"Agora ''melena'' e ''consumo de charros'' é uma posição assumida de livre vontade pelo que me sinto moralmente livre de poder rir com o seu ridiculo.
Sex Mar 30, 10:27:00 PM "

melena igual a charros, falta de cérebro...
ó anónimo, ridículo é você.e mais do que isso, é um triste, um burro e um cobarde. morre de inveja do matarbustos, não é?
porque ele é jovem, e inteligente, e você não consegue rebatê-lo ao mesmo nível. ponha aí a sua fotografia, como ele fez.se for capaz.ou não passa mesmo de um nojento cobardolas?
Anónimo disse…
ò ana não seja ressabiada,

Se quer uma descrição minha aqui tem: tb sou jovem, não fumo charros nem uso melena. Devo ter é um grande defeito, não sou pseudo intelectual para a senhora se espantar e ficar ciderada com as babuseiras que alguem diz.
Não é por pôr uma fotografia de perfil com a melena a tapar que me vai reconhecer.
Se quiser organize uma tertulia e eu apareço com todo gosto para a conhecer pessoalmente.
matarbustos disse…
permita-me (eu já me vou embora), pois que há mais de 15 anos que sinto na pele esta como outras discriminações:

«cor de pele, clube de futebol, país, entre outros não se escolhe, pelo é infundado qualquer tipo de d~iscriminação com base nestes factores.»

clube de futebol pode-se escolher; país pode mudar, embora não possa escolher a naturalidade. mas quando chegamos à cor da pele, suponha que no futuro a tecnologia o permita, valida assim a minha afirmação não lhe parece? nessa altura, será legítimo atacar uma pessoa não escolha mudar o tom da pele?

«Agora ''melena'' e ''consumo de charros'' é uma posição assumida de livre vontade pelo que me sinto moralmente livre de poder rir com o seu ridiculo.»
continuo a não entender onde foi buscar essa dos charros. mas enfim, mesmo que os fumasse, continua a ser argumento sem qualquer valor.

rir faz muito bem, pelo que lho recomendo vivamente. para lhe mostrar que não fico chateado por não ter aceite a minha lição (gratuita e sem presunção), partilho consigo o momento de humor mas bem mais o sentido de ridículo.
matarbustos disse…
CE:

é por reconhecer em si essas qualidades que frequento com agrado o Ponte Europa (e também o DA).
Anónimo disse…
então rimo-nos os dois.
Já agora para ajudar, fazes essa?
Camisa Azul disse…
A imigração descontrolada só pode ser defendida por empresários corruptos ou pelos seus lacaios.
Anónimo disse…
Se gostam tanto de imigrantes pq não vão viver prá Covas da Moura?
Já agora foi o PNR que organizou o arrastão em Carcavelos?
Anónimo disse…
Antes de mais somos cidadãos do mundo.

Mas se alguns imigrantes cometem actos repressivos, deveriam ser punidos nas nossas instituições, porque é cá que estão. Sair deste país deve ser uma opção deles.

Diogo.
Zé Pitaco disse…
Os europeu viraram merdas de degenerados pederastas e os Macacos Africanos invadem a Europa! Mais uns 15 anos, e os muçulmanos vão dominar a Europa! Mas, pelo menos vão matar todos os comunistas, socialistas, democratas, judeus, "holocau$to", pederastas e outros parasitas desse naipe! Se preparem seus vagabundos multiculturalistas que vem aí a lei muçulmana chamada de Sharia que vai foder vocês todos, seus idiotas!

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro