A morte saiu à rua...

Ponte Europa/Pitecos - Zédalmeida

Comentários

Anónimo disse…
ehehehehehehe...

eheheheheeheh...

Estás na rua Esperança??? ainda estás sentado no café do Mayflower?????
Anónimo disse…
Venham mais cinco...
Duma acentada há a matança...
Venham cá ver..
Como está o triste do Esperança...

Não me abriguem
A ir para a rua a cantar
Ainda é tempo
De ver o Esperança e cagar...

turiruri turiruri... turiruri... ui alé...
Anónimo disse…
Avante Camarada avante...
Com a Esperança sempre feita
está na hora de mudar
Vamos tirar este governo de direita
Anónimo disse…
Por favor:

Haja um pouco de moderação.

Não tratem assim o Esperança que ele não merece!

O que se passa é que este dia )ontem à noite) vai ficar marcado, pois é o momento em que vai começar a derrocada de Sócrates... Finalmente... o povo já estava farto... Nunca pensei... Salzar vencer!!!! NUNCA! Ainda para mais na RTP!!!!
PM disse…
Num outro post, um comentarista diz que sabe de fonte segura que este governo está a pensar juntar o subsidio de natal e o de férias num só!

Pois bem, a verdade é que o que ouvi dizer é que estão a pensar acabar com os dois!!!! Será verdade?

A ser verdade, o que tem a dizer a isto Esperança???? Esquerda??? Sou sincero... esta não é a minha esquerda... Jamais....
BM disse…
Saíu à rua, principalmente, a ignorância dos votantes.
Tal como a ignorância de alguns dos distintos comentadores.
Um problema de escola.
Para trás, mais de dez mil de mortos em África. Para aquilo que se viu.
Até isso parece esquecido.
Problemas da democracia (portuguesa).
Anónimo disse…
bm:

Claro... claro...

Como não é do vosso agrado... "Saíu à rua, principalmente, a ignorância dos votantes." É isso mesmo... É mesmo bonita esta vossa democracia...
Anónimo disse…
Culpado desta votação: Sócrates!!!!
BM disse…
Caro 'ignorante',
não o tinha na conta de tal.
Mas quem sou eu, que cada vez mais «só sei que nada sei»?
No meu caso, não se trata de uma questão do «meu agrado» ou não.
Se há alguem crítico do estado a que isto chegou, como dizia Salgueiro Maia, sou eu.
Daí a voltar a uma espécie do pior da Idade Média, estamos entendidos.
ahp disse…
Este concurso da RTP foi uma estupidez crassa, que nem como sondagem têm qualquer valor. Não votaram nem 1% dos eleitores, e votaram sobretudo os mais fanáticos:os fascistas e os comunistas. E mesmo assim o resultado não corresponde à realidade, pois quando há eleições "a sério", os comunistas sempre conseguem uns magros 6 ou 7%,mas os fascistas nem isso atingem. Provaram-se portanto apenas duas coisas:
1ª-que os fascistas são mais fanáticos e têm mais telefones e dinheiro para gastar em chamadas do que os comunistas;
2º-que ainda há fascistas; convém portanto não esquecer que, como diz o poema de Bertold Brecht que cito de memória,
"ainda está fecundo o ventre
donde saíu a besta imunda!"
Alexandre de Castro disse…
Não será demais, pedir elevação discursiva e intelectual aos comentadores que surgem neste blogue a emitir a sua discordância, aliás legítima, em relação às opiniões do Carlos Esperança.
Gaspar LDVS disse…
Se isto tem alguma coisa a ver com aquela palhaçada dos Grandes Portugueses digo desde já que tenho muita pena de não ter tido oportunidade de assinar por baixo de A. M. Hespanha, entre outros grandes nomes, o texto de José Matoso (o maior historiador português de história medieval). Aliás, Mário Soares [http://causa-nossa.blogspot.com/2007/03/pequenez.html]condenou logo de início criticou o programa...

http://maquiavelicopolitica.blogspot.com/ - Maquiavélico
http://rfmarat.blogspot.com/ - L'Ami du Peuple
Camisa Azul disse…
A dor de corno é muita.
Nuno Moita disse…
De facto o programa era uma palhaçada infelizmente na televisão pública, nesse sentido até foi bem feito que tivesse ganho o Salazar (estragou a festa). Mas não devemos sobrevalorizar as situações, senão elas ganham uma importância que não têm
António Veríssimo disse…
A fazer fé nos resultados finais do programa "Os Grandes Portugueses", estará o fascismo vivo?
Não. A ignorância de quem não sabe o que foi (é) o fascismo, a ignorância de quem não viveu o regime salazarista que assassinou centenas e centenas de portugueses só porque não comungavam das suas ideias, a ignorância de quem habitualmente vota nos concursos televisivos levou a que o ditador fascista fosse eleito o grande português.
O fascismo não está vivo. O fascismo aameaça em tons mais ou menos populistas levado em ombros por meia dúzia de rapazes, meninos bem, que nunca passaram "as passas do Algarve" nem nunca comeram "o pão que o diabo amassou".

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro