As frases do novo Bandarra:

«Deixo estas funções [PM] por razões de relevante interesse nacional e num momento em que há condições de estabilidade política e de crescimento económico no nosso país».

(Durão Barroso, 05-07-2004, após apresentar a demissão de PM e antes de assumi o cargo de Presidente da Comissão Europeia».

"Nenhuma distinção podia dar-me maior satisfação do que esta (...) por significar para mim o reconhecimento do meu país, por significar para mim também que foi correta a decisão que tive de tomar em 2004".

(Durão Barroso, 03-11-2014, na cerimónia da condecoração, expiando os remorsos na confusão que fez entre o PR e o País)

Comentários

e-pá! disse…
Pelo que entendemos andou 10 anos (de 2004 a 14) corroído pela dúvida de se teria sido correcta a sua decisão de ir para Bruxelas.
Mais uma fantasia. De facto, não tendo decidido nada continua com dificuldades em admitir que foi 'enviado' para lá, como recompensa da sua execrável figuração na guerra do Iraque.
E por lá andou sempre 'amparado'. Primeiro, por G.W.Bush e depois, com o afastamento deste, lá logrou (no 2º. mandato) acoitar-se no cargo à sombra de Merkel.
Terminado o périplo regressa às origens e coloca-se sob a seráfica protecção de Cavaco...
Falta-lhe no presente a possibilidade de repetir mais um daqueles famosos jantares no palacete no Estoril dos Salgados, para encetar 'nova viagem, nova corrida'.
Mas Cavaco não desampara os 'compangnons de route'.
Foi disso que se tratou na passada 2ª.feira em Belém. A cerimónia desnecessária substituiu o repasto, agora, impraticável.
Marcelo, um dos habituais convivas desses torneios prandiais, está aí para comentar e ... posicionar-se.

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …