Carlos Alexandre e a Justiça



Quem sou eu, que não conheço o processo nem tenho formação jurídica, para julgar quem julga, para avaliar se as medidas de coação são violentas, brandas, adequadas, exóticas, necessárias ou gratuitas?

O circo mediático e a violação permanente do segredo de justiça que o alimentou foram duplamente lesivos para o criminoso – sim, criminoso e particularmente perigoso –, que as medidas não deixam espaço para a presunção ou a mais leve dúvida sobre o carácter do arguido. Lesam-no na antecipada condenação no pelourinho da opinião pública, de que não há recurso, e no enfraquecimento da defesa a que terá direito, apesar da vontade de muitos para que fosse sumária a justiça e capital a pena.

Lá fora as folhas mortas deste outono cobrem o chão. Exibem o amarelo da velhice do que é caduco, estão sujas da lama que as salpicou, enquanto as árvores donde caíram, despidas, desafiam o tempo que aí vem para rejuvenescerem na próxima primavera.

Na região da minha infância, os lobos juntam-se em alcateias para abater ovelhas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …