Como transformar um conflito local em guerra internacional.

Colunas de fumo negro elevando-se de um depósito de combustível em chamas na central eléctrica de Jiyyeh, ao sul de Beirute (Foto: AFP)

Comentários

Anónimo disse…
O título do post é muito oportuno.
Em poucos dias passámos de um conflito regional para um guerra aberta com consequências imprivisíveis.

Re-lembremos:
O "rastilho foi o chamado "rapto" de um cabo do Exército israelita, que "passeava" a sua autoridade pela faixa de Gaza (já entregue à administração da Autoridade Palestina).
Se tal operação fosse efectuada por Israel o tal cabo não tinha sido "raptado" - tinha sido feito prisioneiro...ou estaria detido por invasão de território.

Mas o que é relevante neste momento é que para Israel, a partir daí, "vale tudo".
Na caça a Nasrallah, o líder do movimento Hezbollah, movimento extremista islâmico que se constitui em 1982 para se opor à ocupação israelita do Libano, não há lei, nem respeito pela vida humana. Muitos inocentes civis libaneses - parece que já há alguns estrangeiros - foram vítimas da senha destruidora israelita.
Sabemos que, hoje, a acção do Hezbollah no Libano onde tem uma importante componente de ajuda social, saúde, educação, reconstrução e agricultura. Estas actividades granjearam-lhe um profundo apoio popular.
É considerado - no Mundo muçulmano - um "movimento de resistência".
Israel, os Estados Uindos, a Grâ-Bretanha, etc. (...sempre os mesmos) consideram-no um "movimento terrorista".
A actual (já o fez várias vezes, impunemente) "escalada" bélica (guerra?) de Israel no Líbano baseia-se neste último conceito. A violência da intervenção é tal que podemos afirmar que está a destruir - na prática - um País soberano.
A ONU adia, manifestamente sob pressão de Bush, tomar decisões céleres sobre este grave conflito.
Bush espera por factos consumados e a violência recrudesce. Amanhã, poderá já ter atingido a Síria e incendiado, nesta região, os restentes países árabes...

Dia a dia, hora a hora, escorrega-se para uma guerra sem quartel.

Os EUA suporte da estratégia israelita na região faz aprovar, na cimeira do Grupo dos Oito (G8), uma condenação ao Hezbollah.

Durão Barroso, presente na Cimeira, aninha-se complacente no colo de Bush.
Para "salvar a pele" ( a Europa tem muitas sensibilidades)envia à pressa Javier Solana a Beirute.

Entretanto, Chirac adverte referindo-se à situação no Líbano que "é totalmente inaceitável que um governo não tenha plena autoridade sobre a totalidade do seu território".
Zapatero foi mais assertivo e afirmou que "Telaviv equivoca-se com os ataques lançados contra a Faixa de Gaza e ao Líbano". E, acrescentou, que "se confirma que a intervenção no Iraque, em lugar de trazer a Paz, incrementou a violência no Medio Oriente. Concluiu, reclamando à UE que exija o fim imediato das hostilidades e pediu a intervenção da ONU.

Barroso não deve ter ouvido nada. Com certeza que estará, em São Petersburgo, Rússia, ocupado na bajulação dos 8 mais poderosos do Mundo.

Nas vésperas de uma eminente catástrofe não temos conhecimento do que tem feito, sobre esta crise, o governo português...
Não sabemos, mas decididamente tem de manifestar a sua opinião e contribuir activamente para o desanuviamento da gravíssima situação do Próximo Oriente.

Não pode, como se vê, confiar em Durão Barroso...

O dia de amanhã será, com toda a probabilidade, ainda mais negro.
Anónimo disse…
O que vem sucedendo em Beirute é, não tenhamos papas na língua, uma vergonha. Mais do mesmo. Com a impunidade a que já nos habituámos...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?