Há motivos de orgulho

«Descida da mortalidade infantil em Portugal elogiada em estudo

Portugal ocupa o 16º lugar no ranking que avalia os serviços de saúde dos 25 países da União Europeia (UE), mais a Suíça, no qual sobressai pelas medidas contra a mortalidade infantil.

De acordo com um relatório elaborado pela organização europeia Health Consumer Powerhouse, a França é o país com o melhor sistema de saúde público dos 26 países avaliados (os 25 da UE, mais a Suíça).

Em segundo lugar neste ranking está a Holanda, seguida da Alemanha e da Suécia. Portugal ocupa o 16º lugar».

Fonte: Diário Digital

Comentários

Anónimo disse…
Mais vinte e dois mil funcionarios publicos em seis meses!Onde está a palavra de SOCRATES? Mais parece estarmos perante um grande EMBUSTE!
Anónimo disse…
O nosso "score" é BOM considerado o contexto europeu alargado.
Assim estivessemos no "score" económico.
Todavia, o SNS é o "bombo da festa" nomeadamente, por parte de economistas e gestores - com consequente e injusta depreciação dos profissionais de saúde (tomados como um todo).

Para além do situação relativa à mortalidade infantil que merece realce, é interessante analisar, no referido relatório, um dos "assuntos políticos" da saúde, em Portugal, nos últimos anos:
O TEMPO DE ESPERA PARA TRATAMENTO, ou se preferirmos, as inefáveis "LISTAS DE ESPERA".

A interpretação dos quadros do EHCI 2006 report, mostra:

1.)
Estamos numa posição vantajosa em relação aos seguintes países europeus (incluindo Suiça):
- Estónia, Finlândia, Grécia, Irlanda, Lituânia, Polónia, Eslováquia, Suécia e Reino Unido.

2.)
Estamos na mesma posição com os seguintes países:
- Chipre, Eslovénia e Espanha.

Estes "scores" mostram, em alguma medida, como se tem feito chicana política sobre este assunto - nomeadamnete os chamados partidos do poder - PS e PSD (conforme estão no poder ou na oposição).
Mas os dados do relatório não são só rosas...(embora estejamos na cidade da Rainha Santa).
Em termos comparativos o relatório é taxativo:
"Portugal: Not as advanced as Spanish neighbours."
Health Consumer Powerhouse
EHCI 2006 report, pág.23

Temos de trabalhar mais e melhor(todos) para não acentuarmos as divergências com os nossos vizinhos espanhóis - o termo de comparação mais próximo e para onde enviamos as nossas parturientes de Elvas.

Para além do trabalho (da produtividade como se diz agora) é preciso racionalizar os custos e, não esquecer (a crise económica tem "feito" isso), o investimento estratégico em novas tecnologias, novos equipamentos e modernos meios terapêuticos.
Anónimo disse…
Adenda:

Esqueci-me do investimento na formação.
Mano 69 disse…
O e-pá está a ser desmancha prazeres.
Rosario Andrade disse…
Trabalhei no SNS e actualmente trabalho no NHS. Vi o ranking detalhadamente a alguns "scores" parecem um pouco...ensaboados, para nao utilizar uma palavra mais forte.
Os mais risiveis sao:
- a classificacao de Portugal no acesso ao processo médico (2???? onde e quando é que isso acontece?)
- nao sei em que se baseiam para classificar portugal relativamente ao MRSA, uma vez que o microorganismo nao é monitorizado na maioria dos hospitais. No hospital em que eu trabalhava nao havia mesmo uma comissao de infeccao ou um departamento de microbiologia!
- nao concordo com a classificacao do Reino Unido relativamente a obter segunda opiniao.
Cumprimentos

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime