Estilo 'rafeiro'



O Parlamento madeirense envia hoje às redacções o regulamento que impõe regras de indumentária para os jornalistas.

O presidente da Assembleia Legislativa Regional, com a solidariedade de Jardim, "não admite o uso de ténis, sandálias, calças de ganga ou camisolas. «As mulheres beneficiam de uma excepção... no que às camisolas diz respeito» - acrescenta a excelente jornalista Lília Bernardes.

Comentários

Anónimo disse…
A medida seguinte deverá ser:

artº. único:
Os jornalistas quando se aproximarem do presidente do GR da Madeira devem docilmente rastejar e, efusivamente, abanar o rabo, no conhecido estilo dos cães (rafeiros, incluídos).

O AJJ já devia saber (depois de tantos anos de governação) que tanto as leis como as regulamentações não devem ter "buracos".

Para "buraco" já basta o orçamento regional.
Anónimo disse…
Adenda:

E se enviássemos à Madeira o "cobrador de fraque" para tratar da dívida da Região à República?
Anónimo disse…
Podemos estar aqui a falar mal de AJJ. Mas a oposição de esquerda se fosse digna desse nome deveria em repúdio à lei aprovada ir todas as sessões de sapatilhas (ténis), t-shirts e uns jeans rotos de preferência. Queria ver se lhes era impedida a entrada.
Mas a verdade é que muitos desses deputados, embora votem contra a lei pq são de "esquerda", no fundo, no fundo estão contentes pela lei passar.
el s.
Anónimo disse…
El-s:

Agora faz juizos de intenção?
Anónimo disse…
Eu acho muito bem! Porque há cem anos, quando eu ia à escola, também tinha que levar uma camisinha verde, engomada de fresco, e um barrete na cabeça.
E o respeitinho, que todas as bestas gostam de sentir à volta para ruminarem em sossego, continua a ser uma coisa muito bonita.
Anónimo disse…
Here are some links that I believe will be interested
Anónimo disse…
Your are Excellent. And so is your site! Keep up the good work. Bookmarked.
»
Anónimo disse…
Very pretty site! Keep working. thnx!
»
Anónimo disse…
Keep up the good work » » »

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?