Navarro-Valls criticou Zapatero



Na sequência da visita do Papa, o porta-voz de Bento XVI, Navarro-Valls, membro do Opus Dei, manifestou azedume e irritação contra o legítimo primeiro-ministro espanhol.

A anunciada ausência de Zapatero à missa papal, devoção que não pratica, foi o pretexto para as declarações hostis do porta-voz do Vaticano cuja ingerência na política interna de Espanha tem sido frequente.

Bento XVI não fez apenas uma viagem apostólica, prestou-se a presidir a comícios do Partido Popular organizados em conjunto com o Opus Dei e outros grupos religiosos de extrema-direita tendo como pretexto do 5.º Encontro Mundial das Famílias, um acto de proselitismo inventado por um dos seus antecessores.

Ignorou que Zapatero é o primeiro-ministro de um país laico e um político que não se ajoelha perante um chefe de Estado estrangeiro, que recebeu com extrema cortesia mas sem a subserviência a que Aznar, com ligações ao Opus Dei, tinha acostumado o clero autóctone.

A Igreja católica ficou mal na fotografia. Depois de ter apoiado a ditadura franquista e silenciado numerosos assassínios políticos, em vez de se rever o magistério moral do Cardeal Vicente Enrique Tarancón prefere partilhar o gosto pelo confronto de Rocco Varela e outros prelados de extrema-direita.

Desta vez ficou claro que a Espanha não aceita intromissões na sua política interna. Nas próximas eleições o povo espanhol dirá se prefere manter a linha de rumo do actual Governo ou tornar-se um protectorado do Vaticano.

Comentários

Anónimo disse…
A Direita é incorrigível!
Socorre-se de subterfúgios legalistas para tudo. É ver, por exemplo, a sua atitude perante Zapatero, quando foi às Cortes pedir consenso para tratar da questão basca.
Deixa de o ser (legalista) quando tem interesses políticos.

Não tem pejo (nem pruridos legalistas)em arrastar o Papa para os seus comícios e manifestações, pensando em lucros políticos mas, de facto, empobrecendo e aviltando a autoridade espiritual do chefe da Igreja.
Ressalvo, espiritual, porque, se evocasse a sua dupla personalidade, guia espiritual e chefe de Estado do Vaticano, a sua atitude, nesta segunda vertente, seria um grave incidente diplomático e uma indesculpável falta de cortesia. São costumes atávicos de muitos séculos que, por mais que se esforçem, de vez em quando vêm ao de cima.

E, quanto ao Sr. Valls, porta-voz (vitalício?)destacado pela Obra, permite-se dizer ao 1º. ministro Zapatero, anfitrião, a maneira como devia comportar-se na sua casa.
Uma caridadezinha cristã ou uma gritante intromissão nos assuntos internos de Espanha?

Acredito que os espanhóis, apesar de maioritárimaente católicos, saberão julgar estas sacras tropelias...
Nos tempos que correm, seja em que contexto fôr, ninguém aceita ordens na sua própria casa.
Repito para quem não leu Rodríguez Zapatero nasceu em Valladolid de uma influente família da área da esquerda. O seu pai, Juan Rodríguez García-Lozano, era um advogado notável. O seu avô, Juan Rodríguez Lozano, era um capitão republicano executado pelos nacionalistas na guerra civil de Espanha.

Da área comunista foi influenciado pelo carisma de Filipe Gonzalez que ouviu pela primeira vez em 15 de Agosto de 1976 em Gijon.

Após a licenciatura trabalhou como professor de direito constitucional na Universidade de León. Foi eleito para o Parlamento em 1986, e em Outubro de 1991, foi suspenso o seu contrato universitário com a tomada de posse de um novo Reitor que determinou que a sua posição de Professor e Deputado eram incompatíveis.

Em 27 de Janeiro de 1990, Rodríguez Zapatero casou com Sonsoles Espinosa Díaz, filha de um oficial general (Rafael Espinosa Armendáriz). É pai de duas filhas Laura (1993) e Alba (1995). A sua família nunca apareceu aos media espanhóis e não existem sequer imagens de suas filhas. Terá sido herdeiro de uma carta de seu avô antes do fuzilamento.

Perfeito - o curriculum deste primeiro-ministro encaixa perfeitamente naquilo que agora aconteceu.

Disse não à hipocrisia !
Também lhe devem ter ensinado.

Não precisa de parabéns. Corre por honra e vai longe !
Carim disse…
Zapatero, por acaso, obrigou alguém a assistir ou não assistir à missa? Como é que então alguém se julga no direito de o obrigar? De novo se demonstrou que a Igreja Católica não concebe opiniões, ideias e visões do mundo diferentes da sua. É uma instituição intolerante, que não se imiscui de interferir em assuntos internos de um Estado de direito, que não se imiscui de apoiar ditaduras e ditadores, que não se imiscui de apelar à desobediência civil, para fazer valer a sua ideologia e a sua visão retrógrada e dogmática da sociedade, a única que considera “certa” e de acordo com “a vontade de deus”.
Manel disse…
Ganda Zapatero!
E a modernidade lá vai caninando.
Manel disse…
Corrigo: A modernidade lá vai caminhando.
Anónimo disse…
A Hespanha catolica já só tem vinte por cento de praticantes.Por isso a Igreja não pode falar em nome do povo hespanhol.Já lá vai o tempo.
Anónimo disse…
Apesar da direita espanhola, que continua a orgulhar-se da 'grandeza' imperial, da tradição inquisitorial, da 'lenda negra' dos conquistadores, e do ostracismo a que a comunidade internacional condenou a Espanha franquista, "a modernidade lá vai caminhando" pela mão de Zapatero.
Não sei se há povos com sorte, ou se é merecimento próprio. Mas que os invejo, é verdade.
Anónimo disse…
Só vai à missa quem quer.
E ninguém é obrigado (excepto os que se deixsam obrigar)

Zapatero não quis ir à missa.
Fez bem.
Ora se nem os pais o obrigavam...

Os catoliqueiros portugueses que vao aprendendo.
Ou como dizia o outro: Habituem-se!
cãorafeiro disse…
Ai como eu gostava de ter um Zapatero também em Portugal...
Mano 69 disse…
Perdoai-lhes Senhor que eles não sabem o que dizem...
DTS disse…
"Quando fomos à Nicarágua, [o Presidente] Daniel Ortega foi à missa. Em Varsóvia, durante o período comunista, [o primeiro-ministro] Wojciech Jaruzelski fez o mesmo." Até em Cuba, concluiu, "Fidel [Castro] não se esquivou à missa".
Não vejo irritabilidade e azedume nestas palavras. Vocês tentam de tudo para destruir a Igreja, mas não conseguem, porque as vossas ideias não passam disso, ideias. Ideias que não são aproveitadas por mais ninguém a não ser pelo vosso núcleo de bestiais pessoas.
Anónimo disse…
cãorafeiro:
É capaz de não ter essa sorte, que a malta cá é mais de raça minorca.
Por si acaso, eu tenho muitos para a troca. 15 Santanas Lopes e 7 Barrosos. Primeiros-ministros de Boliqueime arranjo 3. E se não junto ao lote um Sócrates e um Guterres, não é por serem raridades. É porque não me fazem corar de embaraço, ao passar a fronteira. E olhe que ainda dou 10% de comissão a quem me ajeitar o cambalacho.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime